Senado dos EUA volta a se reunir para certificar vitória de Biden

Senado dos EUA volta a se reunir para certificar vitória de Biden

Sessão havia sido interrompida após invasão de apoiadores de Donald Trump

AFP e R7

Sessão será retomada no Senado americano

publicidade

O Senado dos Estados Unidos voltou a se reunir nesta quarta-feira e retomou o processo de certificação da vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais, depois que uma multidão invadiu o prédio do Congresso em protesto contra a derrota do presidente Donald Trump.

"Ao nos reunirmos novamente nesta câmara, o mundo voltará a ser testemunha da resiliência e força da nossa democracia", disse o vice-presidente Mike Pence ao retomar a sessão.

"Para aqueles que causaram estragos em nosso Capitólio hoje, vocês não venceram. A violência nunca vence, a liberdade vence", assinalou. "E esta ainda é a casa do povo."

A senadora Kelly Loeffler anunciou que não irá fazer objeção à certificação dos votos na Georgia, algo pretendido por ela antes da invasão do Capitólio. "Não posso mais me opor à certificação desses eleitores", enfatizou, sob aplausos do Congresso.

O vice-presidente Mike Pence, que também ocupa a presidência do Senado e, por isso, preside a sessão, cumprimentou os agentes de segurança que enfrentaram os invasores e condenou a violência. Em seguida, a palavra foi para o líder dos republicanos no Senado, Mitch McConnell.

"Não seremos intimidados. Não seremos mantidos fora deste plenário por bandidos ou ameaças. Não nos curvaremos à ilegalidade ou intimidação. Estamos de volta aos nossos postos e cumpriremos nosso dever sob a Constituição", disse McConnell.

O líder da minoria democrata, Chuck Schurmer, condenou o incentivo à invasão feita pelo presidente Donald Trump. "Não se enganem, tudo o que aconteceu com isso foi resultado das palavras e ações do 45º presidente norte-americano", afirmou

Veja Também


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895