Sete mortos em ataque a tiros na sede da cervejaria Molson Coors nos EUA
capa

Sete mortos em ataque a tiros na sede da cervejaria Molson Coors nos EUA

Atirador era um ex-funcionário da empresa que havia sido demitido, de acordo com emissora de TV local

Por
AFP

publicidade

Uma pessoa armada abriu fogo nesta quarta-feira na sede da cervejaria Molson Coors em Milwaukee, norte dos Estados Unidos, matando seis pessoas antes de ser abatido pela polícia, informou a imprensa local. O atirador era um ex-funcionário da Molson Coors, até o ano passado chamada MillerCoors, que havia sido demitido, de acordo com a emissora de TV local afiliada à ABC, que citou duas fontes policiais.

A polícia de Milwaukee havia divulgando anteriormente através do Twitter que estava investigando um "incidente grave" e pediu à população que ficasse longe da área de Miller Valley, onde a empresa está localizada. Já o jornal local Milwaukee Journal Sentinel divulgou que a Molson Coors havia informado aos funcionários em um e-mail que uma pessoa estava atirando na instalação.

O jornal citou o marido de uma funcionária da cervejaria, Lasonya Ragdales, dizendo que sua esposa fora notificada sobre um tiroteio nas instalações da empresa Molson Coors e que ela estava enviando mensagens de texto enquanto permanecia trancada em uma sala com colegas do trabalho.

Várias escolas vizinhas foram colocadas em alerta de acordo com o protocolo atual. "Não ouvimos nada, mas vimos dois veículos da polícia pela janela", disse à AFP Bre Townsend, professor de um centro educacional localizado perto da cervejaria.

A MillerCoors anunciou em outubro de 2019 que faria uma grande reestruturação e mudou oficialmente seu nome para Molson Coors Brewing Co. A empresa também transferiu sua sede na América do Norte de Denver para Chicago e centenas de empregos em escritórios corporativos para Milwaukee. A empresa deveria cortar entre 400 e 500 empregos durante a reestruturação. Este ataque é o mais recente de uma longa lista de violência relacionada a armas nos Estados Unidos, que registraram um recorde de 417 tiroteios em massa em 2019, de acordo com o grupo de pesquisa do Gun Violence Archive.