Sonda japonesa pousa em asteroide

Sonda japonesa pousa em asteroide

Missão estuda terreno do corpo interestelar para entender formação do sistema solar

Por
AFP

Sonda entrou em contato com asteroide quase uma hora antes do previsto


publicidade

A sonda japonesa Hayabusa2 conseguiu pousar nesta sexta-feira sobre o asteroide Ryugu, a mais de 300 milhões de quilômetros da Terra, um breve contato destinado a compilar mostras do terreno do corpo interestelar para entender melhor a formação do sistema solar.

As imagens divulgadas na internet mostram engenheiros da Agência de Exploração Espacial Japonesa (Jaxa) observando com nervosismo na sala de controle as informações prévias ao pouso, antes dos aplausos de alegria quando a sonda enviou um sinal positivo.

Como estava previsto, a sonda só pousou por alguns segundos no asteroide, o tempo necessário para lançar um projétil (uma espécie de bola) e gerar uma nuvem de poeira para armazenar uma mostra.

Dentro de várias semanas está prevista uma operação de coleta de mostras de material diferente. "Estou realmente aliviado. O tempo passou muito lentamente até o pouso. Foi tudo bem, estamos felizes", disse Makoto Yoshikawa, um dos coordenadores da missão.


A Hayabusa2 "retornou, como estava previsto, a sua posição orbital ao redor do Ryugu e enviou as primeiras indicações que mostram que ocorreu o contato com o asteroide", completou.

O asteroide Ryugu fica a 340 milhões de quilômetros da Terra, o que explica que se exija um pouco de tempo até que os dados cheguem ao centro de controle da missão. A descida da Hayabusa2 no Ryugu começou na quinta-feira às 13H15 do Japão (01H15 de Brasília), com um atraso, mas a sonda entrou em contato com o asteroide quase uma hora antes do anunciado.

Agora será preciso aguardar vários dias para ter a certeza de que foram compiladas corretamente amostras do terreno. A aventura da Hayabusa2 começou em 3 de dezembro de 2014. Após percorrer 3,2 bilhões de quilômetros, ela chegou em junho de 2018 à órbita de Ryugu, um asteroide que data da formação do sistema solar. A sonda se estabilizou a 20 km de Ryugu, um asteroide em forma de diamante.

Em outubro, a sonda lançou um pequeno robô franco-alemão, denominado Mascote, na direção do asteroide. Mascote trabalhou por mais de 17 horas para analisar a composição da superfície deste corpo rochoso primitivo, na expectativa de compreender melhor a formação do sistema solar. O objetivo da missão é contribuir para ampliar os conhecimentos sobre o entorno espacial para "entender melhor o aparecimento da vida na Terra", segundo a Jaxa.