Surto de coronavírus é detectado em base chilena na Antártica

Surto de coronavírus é detectado em base chilena na Antártica

Até 36 pessoas da base "Bernardo O'Higgins Riquelme" apresentaram sintomas e testaram positivo para Covid-19

AFP

Todos os infectados estão isolados e são monitorados constantemente, informou comunicado

publicidade

Um surto de coronavírus com até 36 contagiados foi detectado em uma base que o Exército chileno mantém na Antártica, o único continente que estava livre da Covid-19, confirmou a instituição nesta segunda-feira. O Exército chileno explicou em um comunicado que nos últimos dias o pessoal da base antártica "Bernardo O'Higgins Riquelme" apresentou sintomas associados ao coronavírus e por isso decidiu-se por evacuá-los.

Após serem submetidos a um exame médico e a testes de PCR (swab), pôde-se constatar que "36 homens testaram positivo para a Covid-19, dos quais 26 correspondem a efetivos do Exército e dez são civis de uma empresa terceirizada que estava fazendo trabalhos de manutenção programados na base antártica", indicou o comunicado.

Todos estão isolados e são monitorados constantemente, "conseguindo até o momento contar com um diagnóstico favorável e sem qualquer tipo de complicação associada à Covid-19", acrescentou a instituição.

Veja Também

O contágio remonta à visita recente à base do navio "Sargento Aldea", da Marinha chilena, que realizou entre 27 de novembro e 10 de dezembro trabalhos de suporte logístico. Após terminar sua missão e chegar ao porto de Talcahuano (sul) em 16 de dezembro, detectaram-se três casos positivos de um total de 208 tripulantes.

Após a confirmação dos casos, todos os tripulantes da embarcação foram postos em quarentena a bordo do navio em Talcahuano. Também estão "em boas condições de saúde e cumprindo os protocolos sanitários vigentes". Antes, já haviam sido detectados casos positivos no pessoal que desembarcou na cidade chilena de Punta Arenas (sul) em 10 de dezembro, informou a Marinha em outro comunicado.

Antes de zarpar e como medida de precaução, "toda a tripulação do navio teve que se submeter a um exame PCR. Uma vez conhecido o resultado e confirmado que toda a tripulação do navio tinha tido PCR Negativo, a unidade zarpou desta cidade rumo ao continente antártico".

Até agora, a Antártica era um dos poucos lugares do mundo livres do coronavírus, depois de uma intensificação dos controles e do cancelamento de todas as viagens de turismo. Decidiu-se também transferir o pessoal não indispensável e proibir o contato entre as cerca de 40 bases internacionais estabelecidas ali.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895