Trump anuncia que irá proibir TikTok nos EUA
capa

Trump anuncia que irá proibir TikTok nos EUA

Autoridades americanas mostraram preocupação com a possibilidade da plataforma ser usada como ferramenta da inteligência chinesa

Por
AFP

TikTok, uma empresa com sede na China, tem cerca de um bilhão de usuários no mundo


publicidade

O presidente Donald Trump anunciou nessa sexta-feira que irá proibir a rede social TikTok nos Estados Unidos, após as autoridades americanas mostrarem preocupação com a possibilidade da plataforma ser usada como ferramenta da inteligência chinesa. Em declarações aos jornalistas durante viagem no avião presidencial Air Force One, Trump declarou: "Em relação ao TikTok, vamos proibi-lo nos Estados Unidos".

TikTok, um aplicativo de vídeos muito popular entre os jovens e que pertence à ByteDance, uma empresa com sede na China, tem cerca de um bilhão de usuários no mundo.

O The Wall Street Journal e a agência de notícia Bloomberg informaram mais cedo que Trump determinou a venda das operações americanas do TikTok, ao estimar que o serviço poderia ser usado pela inteligência chinesa.

Outros relatórios, incluindo um da Fox News, afirmaram que a Microsoft estava negociando para adquirir a rede social, cujo valor poderia alcançar dezenas de bilhões de dólares.

Funcionários e legisladores americanos expressaram nas últimas semanas preocupação com a possibilidade do TikTok ser usado pela China como ferramenta de espionagem. A empresa responsável pela rede social nega qualquer vínculo com o governo de Pequim. 

Steven Mnuchin, o secretário do Tesouro dos EUA, disse na quarta-feira que faria uma "recomendação" sobre a plataforma à Casa Branca nesta semana.

Segurança nacional 

O TikTok teve que se defender de seus vínculos com a China, onde a ByteDance possui um aplicativo semelhante mas com outro nome. Sempre negou que compartilha informações com as autoridades chinesas e garante que não tem a intenção de aceitar pedidos neste sentido.

Na sexta-feira, antes do anúncio de Donald Trump, alguns meios de comunicação americanos afirmaram que o presidente iria obrigar o grupo ByteDance a vender o TikTok. 

De acordo com o jornal The Wall Street Journal e a agência Bloomberg, o presidente estava se preparando para assinar uma ordem oficial para obrigar a empresa-mãe chinesa a se separar do aplicativo em nome da proteção da segurança nacional.

A rede social não quis comentar as informações sobre a suposta venda forçada, limitando-se a afirmar que "confiamos no sucesso do TikTok a longo prazo". "Centenas de milhões de pessoas vêm ao TikTok para se entreter e conectar, inclusive nossa comunidade de criadores e artistas que vivem graças à plataforma", acrescentou o TikTok.

No entanto, em vez de vender, Trump anunciou sua proibição nos Estados Unidos, que será efetiva a partir deste sábado. 

Há alguns dias, o TikTok se comprometeu a ter um alto nível de transparência e a permitir o controle de seus algoritmos para tranquilizar usuários e reguladores. "Todo o setor de atividades está sendo analisado com atenção e com razão. Devido às origens chinesas da empresa, estamos sendo analisados com mais atenção ainda. Aceitamos isso e aceitamos o desafio", disse nesta semana o CEO do TikTok, Kevin Mayer.

James Lewis, chefe do programa político de tecnologias no Center for Strategic and International Studies, acredita que o risco de segurança por usar o TikTok é "quase nulo". Em vez disso, "parece que a ByteDance pode estar sob pressão de Pequim", declarou.

A rede social também está na mira de outros países. A Índia a colocou no topo de uma lista de 59 aplicativos que proibiu em seu território em 30 de junho, para "garantir a segurança e a soberania do ciberespaço indiano".


O Paquistão, país muçulmano muito conservador, emitiu recentemente um "último aviso" ao aplicativo para que retire de sua plataforma conteúdos considerados "imorais, obscenos e vulgares".