Trump diz que saberá na próxima semana sobre cúpula com Kim

Trump diz que saberá na próxima semana sobre cúpula com Kim

Reunião para discutir desnuclearização da península estava marcada para 12 de julho

AFP

Na terça-feira, Trump recebeu o líder Sul-coreano, Moon Jae-In

publicidade

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta quarta-feira que a decisão final sobre a esperada cúpula com o líder norte-coreano Kim Jong Un, prevista para 12 de junho, será definida na próxima semana. "Sobre Singapura, nós veremos. Pode muito bem acontecer. Mas o que quer que aconteça, saberemos na próxima semana sobre Singapura", afirmou à imprensa nos jardins da Casa Branca. Nesta quarta, fontes da presidência americana informaram que um grupo de assessores está a caminho de Singapura para contatos com negociadores norte-coreanos. A equipe americana inclui o vice-chefe de gabinete, Joe Hagin, e a assessora adjunta para a Segurança Nacional, Mira Ricardel.

Na terça-feira, ao receber o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, Trump considerou que "francamente, seria uma possibilidade de fazer grandes coisas para a Coreia do Norte e para o mundo. Se não ocorrer, talvez possa acontecer mais tarde. Talvez ocorra em outro momento". Trump e Kim acordaram um encontro em Singapura em 12 de junho para discutir a eliminação de armas nucleares por parte de Pyongyang e da península coreana, mas nas últimas semanas esta reunião ficou envolta em incertezas.

Mais cedo, nesta quarta, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, assegurou que a realização da cúpula dependia agora de Pyongyang. "Ele (Kim Jong Un) pediu a reunião e o presidente (Trump) concordou em se reunir", acrescentou. No entanto, Pompeo reconheceu que "ainda há muito trabalho a ser feito para encontrar um terreno comum", embora tenha dito que estava "otimista" com o fato de as delegações confirmarem a reunião. "Estamos otimistas de que podemos alcançar um resultado que seja bom para todos", disse ele.

Washington e Pyongyang iniciaram no fim de abril um processo de aproximação que teria como ponto alto o encontro de 12 de junho, mas à medida que as negociações se aprofundaram, aumentaram também as divergências sobre as expectativas. Segundo o secretário de Estado americano, nos dois contatos pessoais que manteve com Kim em Pyongyang, o líder norte-coreano apresentou as exigências que colocaria na mesa para avançar na desnuclearização do país.

Kim expressou a Pompeo seu interesse de que, uma vez fechado um acordo, a Coreia do Norte "possa receber ajuda econômica dos Estados Unidos, sob a forma de tecnologia e conhecimento do setor empresarial". O líder norte-coreano também teria expressado o interesse em receber "garantias de segurança". Em contrapartida, Pompeo expôs a Kim as condições dos Estados Unidos, em especial as que se referem à verificação do processo de desnuclearização.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895