Trump sondou possibilidade de atacar instalações nucleares no Irã, afirma jornal

Trump sondou possibilidade de atacar instalações nucleares no Irã, afirma jornal

Presidente americano se reuniu na semana passada com Mike Pence e líderes militares de seu governo para debater possível ataque

AFP

Donald Trump ainda tem poucos menos de dois meses no cargo de presidente dos EUA

publicidade

Dois meses antes de deixar o cargo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, perguntou a seus principais assessores sobre a possibilidade de atacar instalações nucleares do Irã, informou o jornal The New York Times, que destacou que seus conselheiros o convenceram a desistir da ideia.

Durante uma reunião no Salão Oval na quinta-feira da semana passada, o presidente perguntou a vários conselheiros - incluindo o vice-presidente, Mike Pence, o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o comandante do Estado-Maior Conjunto, o general Mark Milley - "se tinha opções de adotar medidas contra a principal instalação nuclear do Irã nas próximas semanas", afirmou o jornal.

Os altos funcionários "dissuadiram o presidente de seguir adiante com um ataque militar" e alertaram que uma ação desta magnitude poderia virar um conflito maior nas últimas semanas de sua presidência, informou o NYT. De acordo com a notícia, Trump fez a pergunta depois que um relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) revelou que o Irã continua armazenando urânio.

De acordo com a AIEA, as "reservas de urânio de Teerã eram 12 vezes maiores que o permitido pelo acordo nuclear que Trump abandonou em 2018", três anos depois da assinatura do pacto que tinha o objetivo de frear a capacidade nuclear do Irã.

Veja Também

Segundo o NYT, o alvo mais provável do ataque seria Natanz. "Podem acontecer tentativas de atacar o Irã, mas pessoalmente não prevejo tal coisa", declarou nesta terça-feira o porta-voz do governo iraniano, Ali Rabii, em reação à notícia do jornal americano. "Mas, em qualquer caso, nossa resposta curta sempre foi: qualquer ação contra o povo iraniano receberá uma resposta devastadora", acrescentou o porta-voz, repetindo uma frase padrão utilizada pelas autoridades civis e militares iranianas.

O Irã foi durante muito tempo o grande foco de Trump. O presidente republicano voltou a impor sanções a Teerã e ampliou as medidas depois que Washingtou abandonou o acordo nuclear.

Os sócios europeus do acordo lutam para manter o acordo, apesar dos esforços de Trump para acabar com o mesmo, e esperam que a chegada à Casa Branca do democrata Joe Biden mude a abordagem de Washington sobre Teerã. A administração Trump se comprometeu a intensificar as medidas punitivas, o que alguns críticos veem como uma tentativa de construir um "muro de sanções" que seria difícil para Biden derrubar quando assumir o poder.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895