UE adia decisão sobre prorrogação do Brexit

UE adia decisão sobre prorrogação do Brexit

Bloco aguarda definição do Parlamento britânico sobre eleições antecipadas

AFP

Proposta de Johnson enfrenta resistência dentro do governo

A seis dias do Brexit, a União Europeia adiou nesta sexta-feira sua decisão a respeito de uma prorrogação da data do divórcio, enquanto aguarda o parecer do Parlamento britânico sobre as eleições antecipadas propostas pelo primeiro-ministro Boris Johnson. Os embaixadores dos outros 27 países da UE decidiram definir a próxima terça-feira como o prazo máximo para decidir a duração da prorrogação, "tendo em vista os acontecimentos em Londres", segundo diplomatas europeus. 

Antes de decidir a data, os europeus querem saber se o Parlamento britânico vai apoiar, em uma votação na segunda-feira, a proposta de Boris Johnson de adiantar as eleições legislativas para 12 de dezembro. "Não podemos fazer ficção política, precisamos de fatos para tomar decisões", alertou ainda nessa quinta-feira a secretária francesa de Estado para os Assuntos Europeus, Amélie de Montchalin.

A França, um dos poucos países do bloco que defende uma prorrogação mais curta do Brexit e não até 31 de janeiro, como Johnson relutantemente pediu, ecoa a incerteza política que reina na Câmara dos Comuns. Ao contrário de sua antecessora Theresa May, que não obteve o apoio dos deputados para o seu acordo de Brexit, Boris Johnson conquistou na terça-feira uma vitória no Parlamento, que apoiou o pacto concluído com a UE dias antes, mas se recusou a tramitá-lo com urgência.

"Um Parlamento zumbi não é bom para ninguém", disse nesta sexta o ministro das Finanças britânico Sajid Javid, para quem haverá uma extensão "por causa das ações do Parlamento". Para pressionar Westminster, onde seu governo perdeu a maioria, o inquilino de Downing Street pediu eleições antecipadas em 12 de dezembro, mas precisa do apoio de dois terços de uma câmera que no passado já havia negado essa possibilidade.

Em uma carta ao líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, na qual solicitou seu apoio para convocar as eleições, Johnson pediu "que acabe com esse pesadelo e dê ao país uma solução o mais rápido possível". "Chegou o momento de Corbyn se comportar como um homem", declarou à Sky News o líder conservador, aumentando a pressão sobre o líder opositor, quando as pesquisas dão aos conservadores 10 pontos de vantagem sobre os trabalhistas (35% contra 25%).

Mas Corbyn cobrou que primeiro o cenário de um "Brexit sem acordo" em 31 de outubro seja descartado, o que poderia ser alcançado com uma extensão da UE, antes de apoiar a convocatória para eleições antecipadas. Um diplomata europeu alertou que a data da prorrogação, dada como certa na UE, dependerá "da decisão ou não de realizar eleições antecipadas"."Os 27 não querem ser o brinquedo das aventuras britânicas", acrescentou Boris Johnson.

O Reino Unido decidiu se tornar o primeiro país a deixar o bloco por 52% dos votos em um referendo em 2016. Os britânicos deveriam ter saído em março passado, mas diante do persistente bloqueio parlamentar, a data da partida já foi adiada duas vezes.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895