União Europeia está disposta a debater quebra de patente de vacinas anticovid, diz von der Leyen

União Europeia está disposta a debater quebra de patente de vacinas anticovid, diz von der Leyen

Presidente da Comissão Europeia, que já se mostrou contrária à ideia, enfatizou que a prioridade seria aumentar o abastecimento global e criticou implicitamente os EUA e o Reino Unido por limitarem exportações

Correio do Povo e AE

Von der Leyen já argumentou que a indústria farmacêutica deveria ser recompensada por sua inovação

publicidade

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse nesta quinta-feira que a União Europeia (UE) está disposta a discutir uma proposta dos EUA de compartilhar a tecnologia por trás das vacinas contra a Covid-19 para ajudar a combater a pandemia. Sem fazer um compromisso firme, ela comentou que os eurodeputados estão pronto para avaliar como a proposta de Joe Biden de quebrar as patentes pode ajudar a encerrar a crise. Em discurso, ela também descreveu a campanha de vacinação contra a doença no bloco de 27 nações como "bem-sucedida", apesar dos atrasos nas entregas de doses a países.

No entanto, ela enfatizou que a prioridade da Europa seria aumentar o abastecimento global e criticou implicitamente os EUA e o Reino Unido por limitarem as exportações de vacinas. Recentemente, há duas semanas, von der Leyen disse ao New York Times que "não sou nada amigável a liberar patentes", argumentando que a indústria farmacêutica deveria ser recompensada por sua inovação. Mas os defensores de uma renúncia argumentam que os países pobres estão lutando para obter programas de vacinação, enquanto os mais ricos protegem os direitos de propriedade intelectual dos gigantes das drogas.

"No curto prazo, entretanto, pedimos a todos os países produtores de vacinas que permitam as exportações e evitem medidas que interrompam as cadeias de abastecimento", afirmou. Na segunda-feira, o comissário europeu para a indústria, Thierry Breton, alertou que, quando uma empresa recebe a patente para produzir uma nova vacina, leva mais de um ano para acelerar a produção.

“No ano que vem, quando aumentarmos a produção em nossas fábricas, podemos nos fazer essa pergunta”, argumentou. Um alto funcionário europeu disse a repórteres que a questão das patentes estaria agora na agenda de uma reunião de cúpula da UE de dois dias em Porto, que começa amanhã.

 

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895