União Europeia estuda suspender viagens não-essenciais a seus Estados-membros por 30 dias
capa

União Europeia estuda suspender viagens não-essenciais a seus Estados-membros por 30 dias

Ursula von der Leyen apontou que "especialistas que nos ajudem a resolver a crise do coronavírus" devem continuar a poder entrar

Por
Correio do Povo

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a proposta de proibição de viagens na UE não se aplicaria aos cidadãos do Reino Unido


publicidade

A União Europeia anunciou nesta segunda-feira o plano de supender de todas as viagens não-essenciais aos países-membros do bloco por 30 dias como forma de conter o vírus SARS-Cov-2, responsável pela doença Covid-19. O anúncio foi feito pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, horas depois de seu porta-voz comentar que fechar as fronteiras não é a melhor solução de prevenção. O prazo poderá ser prolongado “se for necessário”, acrescentou a alemã em vídeo publicano em sua conta no Twitter.

"Achamos que as viagens não-essenciais devem ser reduzidas agora, a fim de não propagar mais o vírus, seja dentro da União Europeia ou deixando a União Europeia. Haverá isenções para os cidadãos da UE que voltam para casa, para profissionais de saúde como médicos e enfermeiros, mas também para cientistas que trabalham na solução dessa crise de saúde", apontou, ressaltando que nacionais do Reino Unido também estarão isentos.

A medida prevê que todos os cidadãos europeus que queiram regressar a casa fiquem isentos da restrição, bem como os seus familiares, nacionais de países terceiros que sejam residentes de longo prazo da UE e diplomatas. Cidadãos do rei“Pessoal essencial, assim como médicos, enfermeiros, cuidadores, investigadores e especialistas que nos ajudem a resolver a crise do coronavírus devem continuar a poder entrar na União Europeia”, frisou.


O bloco também planeja estabelecer “pistas verdes” rápidas para dar prioridade ao transporte de bens médicos, alimentos e serviços de emergência. Ela disse: “É importante que nosso sistema de saúde seja capaz de lidar com a quantidade de pacientes gravemente doentes. E, portanto, é de extrema importância adotar todas essas medidas que os Estados-membros estão adotando agora para desacelerar contratos sociais e desacelerar a vida pública".