capa

"Vamos reconstruir a Notre-Dame", promete Macron após incêndio

Bombeiros relataram que estrutura da catedral poderá ser salva

Por
AFP

Presidente, visivelmente abalado, afirmou que "as próximas horas serão difíceis"

publicidade

"Vamos reconstruir a Notre Dame", prometeu o presidente francês, Emmanuel Macron, após o incêndio que destruiu a emblemática catedral gótica, comovendo a França e o mundo inteiro. "O pior foi evitado, mesmo se a batalha ainda não foi completamente vencida", declarou o presidente, visivelmente abalado, afirmando que "as próximas horas serão difíceis".

Os bombeiros que lutam há quatro horas para pagar um grave incêndio que atinge a catedral de Notre Dame conseguiram salvar a estrutura do monumento "em sua totalidade", declarou seu chefe na noite desta segunda-feira. "Podemos considerar que a estrutura de Notre-Dame está a salvo e preservada em sua totalidade", indicou o chefe dos bombeiros de Paris, o general Jean-Claude Gallet. "O fogo perdeu intensidade", acrescentou o secretário do Interior, Laurent Nuñez. 

• Não há informações sobre feridos em Notre Dame, diz governo francês

O governo francês ainda evita confirmar que a catedral medieval está fora de perigo, mas mostra um "otimismo cauteloso". Segundo os bombeiros, o combate às chamas na última 1h30 era crucial para impedir o desabamento da torre norte do edifício, o que foi feito com sucesso.

O ministro do Interior francês, Christophe Castaner, disse que está mais otimista do que há algumas horas sobre a possibilidade de salvar a estrutura da Catedral de Notre-Dame. Ainda de acordo com ele, serão necessárias mais três ou quatro horas para concluir o controle das chamas.

 

Investigação

Uma investigação judicial por "destruição involuntária" foi aberta na França após o incêndio que arrasou a catedral de Notre Dame, informou nesta segunda-feira a procuradoria de Paris. Os investigadores privilegiam a pista de um incêndio acidental que começou no teto da catedral, onde foram realizadas obras de renovação, informou uma fonte próxima à investigação. 

* Com informações da Agência Estado

Vídeos