Passageiros desembarcam sem triagem no aeroporto Salgado Filho

Passageiros desembarcam sem triagem no aeroporto Salgado Filho

Ações de orientação e medidas preventivas de higiene auxiliam no retardamento da propagação do vírus

Felipe Samuel

Aeroporto Salgado Filho ficou em posição intermediária no ranking de satisfação do passageiro

publicidade

Mesmo com pelo menos 621 casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus no país, dos quais 33 no Rio Grande do Sul, os viajantes desembarcam no Porto Alegre Airport - Aeroporto Internacional Salgado Filho vindos de voos internacionais sem qualquer restrição ou informação sobre como proceder após a viagem. A Fraport Brasil, que administra o aeroporto da Capital, justifica que as ações e procedimentos relacionados ao coronavírus que acontecem no ambiente aeroportuário são definidos e conduzidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O uruguaio Marcos da Silva, 56 anos, retornou de Punta del Leste e desembarcou na tarde desta quarta-feira em Porto Alegre. Tradutor e produtor de curta-metragem, Silva relata que não recebeu nenhuma recomendação na chegada à Capital. "Foi a vez que entrei mais rápido de Montevideo a Porto Alegre. Cheguei aqui e foi tudo rapidinho, menos as malas, que demoraram como sempre. Na imigração foi muito rápido, fui o primeiro a chegar", destaca, frisando que o preço da passagem dobrou na última semana. Silva ressalta que passageiros de outros países, que vieram do Uruguai, também passavam com tranquilidade pelo local. "Não havia ninguém fiscalizando ou perguntando para pessoas de outros países, que falavam outros idiomas. Não havia nenhum controle", observa. No voo, ele relata que recebeu apenas recomendação para lavar as mãos.

O site do Ministério da Saúde alerta que viajantes que apresentem febre e pelo menos um dos sinais ou sintomas respiratórios e com histórico de viagem para país com transmissão sustentada ou área com transmissão local nos últimos 14 dias se enquadram como casos suspeitos. Apesar disso, nenhum ação preventiva é realizada no aeroporto desde 10 de março, quando houve a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Estado.

Médico geriatra e professor da Feevale, Leandro Minozzo alerta que pessoas que retornaram de viagens do Exterior façam quarentena por conta própria, mesmo sem apresentar sintomas. Ele destaca que muitos passageiros sequer são advertidos nos aeroportos brasileiros a adotarem esse procedimento. "Tenho alguns pacientes e amigos que retornaram da Europa e Estados Unidos que relataram não ter recebido qualquer orientação no desembarque", revela.

"Tem gente que vem do exterior e está fazendo quarentena por conta própria, mas tem outros trabalhando e se expondo porque não tem sintomas", alerta. Todas as pessoas que viajaram devem permanecer em casa por 14 dias", completa. Minozzo ressalta que países vizinhos, como a Argentina, adotam algumas medidas sanitárias a bordo. "Não custava nada o comissário de bordo entregar uma máscara e orientar o passageiro a ir para casa e ficar de quarentena", avalia.

A Fraport Brasil informa que a malha aérea do país está passando por ajustes de forma a se adequar à diminuição do fluxo de passageiros em função do coronavírus. De acordo com a empresa, as companhias aéreas Aerolíneas Argentinas (Porto Alegre – Buenos Aires), Avianca (Porto Alegre - Lima), Cabo Verde (Porto Alegre – Ilha do Sal) e TAP (Porto Alegre – Lisboa) já anunciaram a suspensão das operações. Na última quarta-feira, foi a vez da Latam (Porto Alegre-Lima) cancelar seus voos. Azul (Porto Alegre – Montevideo), Flybondi (Porto Alegre – Buenos Aires) e Latam (Porto Alegre – Santiago do Chile) estão embarcando somente residentes, também até nova ordem. A Copa Airlines segue embarcando passageiros panamenhos e residentes, além daqueles com destinos onde não existem restrições de voos partindo da América Latina. A Fraport orienta aos passageiros com viagem marcada para as próximas semanas que entrem em contato com a sua companhia aérea para esclarecimentos.

Em nota, a Anvisa informa que determinou uma série de orientações para aeroportos de todo país e que as equipes da vigilância sanitária estão mobilizadas e preparadas para lidar com a chegada de possíveis casos suspeitos ao país. Nos casos suspeitos em aviões e aeroportos, a Anvisa reforça que tem várias orientações que devem ser seguidas por órgãos e trabalhadores que atuam em aeroportos e em aviões, no caso de detecção de algum caso suspeito do novo coronavírus.

Uma delas é a de que o comandante da aeronave comunique à autoridade sanitária se houver suspeita da doença no voo. Também é responsabilidade do comandante a adoção de medidas para isolar a pessoa dos demais viajantes. Apesar de orientações básicas aos viajantes, como lavar as mãos, usar álcool gel e utilizar lenço descartável, não há menção a ações no embarque ou desembarque de voos internacionais.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895