Ação que combate falsificações de atestados médicos tem nova fase em Porto Alegre

Ação que combate falsificações de atestados médicos tem nova fase em Porto Alegre

Investigação da 2ª Delegacia de Combate à Corrupção apura falsos atestados médicos para soltar apenados devido à pandemia do novo coronavírus

Correio do Povo

Documentos e um computador foram recolhidos e serão analisados pelos agentes

publicidade

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta quinta-feira a segunda fase da operação Avocat cujo objetivo é combater as falsificações de atestados médicos distribuídos em processos judiciais para obter a soltura de apenados devido à pandemia do novo coronavírus. A ação foi deflagrada em Porto Alegre pela 2ª Delegacia de Combate à Corrupção do Departamento Estadual de Investigações Criminais, sob comando do delegado Vinicios Batista do Valle.

Houve o cumprimento de mandados de busca e apreensão em uma residência e em um escritório de advocacia, além de um mandado de prisão preventiva. O suspeito, um advogado, não foi localizado, sendo considerado a partir de agora foragido. Documentos e um computador foram recolhidos para análise. “A fase dois da operação visou colher mais provas com relação a outros investigados”, sintetizou o delegado Vinicios Batista do Valle. “Estamos atentos a outros casos”, adiantou, referindo-se às novas diligências.

No dia 16 deste mês, a primeira etapa da operação Avocat havia sido desencadeada em Gravataí e Cachoeirinha. Na ocasião, um outro advogado foi preso preventivamente por crimes contra a Fé Pública e contra a Administração da Justiça. Ele é suspeito de integrar um esquema envolvendo escritórios de advocacia que estariam utilizando atestados médicos falsos para liberar detentos devido aos riscos de contágio pela covid-19 dentro do sistema prisional. Documentos, três celulares, quatro notebook, dois pendrives e cerca de R$ 7 mil em dinheiro foram apreendidos na ação. Um dos apenados beneficiados foi preso na quarta-feira passada pela Delegacia de Capturas (DECAP) do Departamento Estadual de Investigações Criminais. Ele estava foragido após ter sido decretada a prisão preventiva.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895