Adiado julgamento dos dois últimos autores de chacina em apart-hotel em Florianópolis, em SC

Adiado julgamento dos dois últimos autores de chacina em apart-hotel em Florianópolis, em SC

Ministério Público de Santa Catarina quer condenação por cinco homicídios triplamente qualificado, furto qualificado, roubo majorado e fraude processual

Correio do Povo

Crime ocorreu na rua Doutor José Bahia Bittencourt, em Canasvieiras, no Norte da Ilha

publicidade

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pedirá a condenação dos dois últimos responsáveis pela chacina ocorrida em um apart-hotel na rua Doutor José Bahia Bittencourt, na praia de Canasvieiras, no Norte da Ilha de Florianópolis, em 2018. A sessão do Tribunal do Júri da Capital, que começaria na manhã desta quinta-feira no Fórum da Capital, foi adiada a pedido da defesa. Em novembro de 2020, um terceiro envolvido no crime havia sido sentenciado, em julgamento separado, a 43 anos e 20 dias de prisão.

Os três réus foram denunciados em ação penal pública por cinco homicídios triplamente qualificados (motivo torpe, asfixia e sem chances de defesa às vítimas), furto qualificado, roubo majorado e fraude processual. Pelo MPSC atua o Promotor de Justiça Mauro Canto da Silva, da 37ª Promotoria de Justiça da Comarca de Florianópolis.

Como uma das vítimas tinha mais de 60 anos de idade, o MPSC requer em relação a essa morte o agravamento da pena, o que significa pedir que o tempo de prisão seja aumentado, em caso de condenação.

A chacina ocorreu a partir da tarde do dia 5 de julho de 2018, quando um empresário e três filhos, além de um funcionário do apart-hotel, foram cruelmente assassinados, depois de terem sido rendidos e amarrados sob ameaças e agressões. A única pessoa que estava no apart-hotel e sobreviveu foi uma funcionária, que conseguiu fugir e acionar as autoridades policiais.

A investigação apurou que, devido a uma dívida trabalhista com o empresário, um ex-funcionário do estabelecimento planejou os crimes. Dois acusados foram detidos em Florianópolis e São José, em Santa Catarina. Um outro envolvido seria preso em Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul.  


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895