Apenado solto com falso atestado médico devido à pandemia é preso em Porto Alegre

Apenado solto com falso atestado médico devido à pandemia é preso em Porto Alegre

Advogado suspeito de forjar documento em benefício do detento havia sido detido no dia 16

Correio do Povo

Foragido foi localizado e detido pelos agentes da Delegacia de Capturas no bairro Cavalhada

publicidade

A Polícia Civil confirmou na manhã desta quinta-feira que o criminoso preso no bairro Cavalhada, em Porto Alegre, é o mesmo apenado posto em liberdade graças a um atestado médico falso em meio à pandemia do novo coronavírus. A detenção do indivíduo, de 29 anos, foi realizada na quarta-feira pela Delegacia de Capturas (DECAP) do Departamento Estadual de Investigações Criminais.

Segundo o delegado Arthur Raldi, o foragido havia sido solto no dia 23 de março passado mediante a apresentação, por meio de seu advogado, do atestado médico falso. “No dia 1º de abril foi expedido um novo mandado de prisão preventiva, mas o alvo já não foi mais localizado. Desde então, fugiu e trocou de esconderijo constantemente”, observou. O delegado Arthur Raldi disse que a detenção do foragido ocorreu com o cumprimento de um mandado de prisão preventiva, expedido em função da acusação de prática do crime de homicídio. “O capturado estava recolhido no sistema penitenciário em virtude de acusação de um homicídio duplamente qualificado, cometido na cidade de Camaquã no ano de 2019”, recordou.

O advogado responsável pelo atestado médico falsificado foi preso no dia 16 deste mês durante a operação Avocat 2ª Delegacia de Polícia de Combate à Corrupção, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) em Cachoeirinha e Gravataí. Ele é suspeito de integrar um esquema envolvendo escritórios de advocacia que estariam utilizando atestados médicos falsos para liberar apenados em função da pandemia do novo coronavírus. Nos pedidos judiciais, os participantes do suposto esquema alegavam que os detentos faziam parte dos grupos de riscos. Na ação foram apreendidos documentos, três celulares, três notebook, dois pendrives e cerca de R$ 7 mil em dinheiro foram apreendidos.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895