Autor do golpe do "envelope vazio" é preso em São Leopoldo

Autor do golpe do "envelope vazio" é preso em São Leopoldo

Agentes da DP de Esteio contabilizaram até três vítimas que foram enganadas pelo estelionatário

Correio do Povo

Cerca de R$ 17 mil em dinheiro foram apreendidos com o vigarista

publicidade

Um estelionatário que aplicava até três golpes por semana foi capturado pela Polícia Civil na Região Metropolitana de Porto Alegre. O vigarista foi preso preventivamente pelos agentes da DP de Esteio, sob comando da delegada Clarissa Demartini, após dois meses de investigações. A ação com amparo judicial começou na noite de segunda-feira e terminou na madrugada desta terça no bairro Campina. em São Leopoldo. Houve a apreensão de cerca de R$ 17 mil em dinheiro, um telefone celular e um relógio.

O criminoso utilizava nomes falsos nas redes sociais e buscava anúncios nas plataformas de venda de produtos, sobretudo eletrônicos. Ele atraía as vítimas com fotos de dinheiro. No momento da compra, o golpista realizava falsos depósitos bancários, através do método conhecido como "envelope vazio".

Enviados às vítimas como prova do pagamento, os comprovantes de depósitos realizados não existiam pois foram feitos com envelopes vazios, sem qualquer quantia, não sendo assim compensados pelo banco. Conforme os policiais civis, as vítimas se esquecem que os comprovantes não confirmam por si próprios que o dinheiro entrou na conta bancária e entregam a mercadoria antes ao criminoso.

A delegada Clarissa Demartini disse que "a equipe da DP de Esteio descobriu ainda que foram aplicados mais de sete golpes durante o curso da investigação”. Segundo ela, o criminoso preso ainda “mandava a vítima entregar a mercadoria para um motorista de aplicativo, conseguindo manter uma maior discrição na aplicação do golpe".

Já o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), delegado Mario Souza, afirmou que “o combate a esse tipo penal demanda aprofundamento de detalhes na investigação é uma ação complexa e cada vez mais comum”. Ele lembrou que “as vítimas devem procurar imediatamente a Polícia quando passarem por esse tipo de situação”.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895