Bancada Negra eleita para a Câmara protesta contra a morte de homem negro no Carrefour

Bancada Negra eleita para a Câmara protesta contra a morte de homem negro no Carrefour

Novos vereadores negros cancelaram coletiva para pedir justiça por João Alberto Silveira Freitas

Sidney Jesus

Karen Santos (PSol), Laura Sito (PT), Bruna Rodrigues (PCdoB), Daiana Santos (PCdoB) e Matheus Gomes (PSol)

publicidade

 O que era para ser um dia de reflexão e celebração do Dia Consciência Negra com a apresentação em coletiva da primeira Bancada Negra da história de Porto Alegre,  se tornou nesta sexta-feira um dia triste e de protestos pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas, ocorrido na quinta-feira.

O cenário de violência e intolerância que levou à morte o homem negro de 40 anos, espancado por seguranças na unidade do supermercado Carrefour, no bairro Passo D’Areia, fez com que os novos vereadores eleitos, Karen Santos (PSol), Laura Sito (PT), Bruna Rodrigues (PCdoB), Daiana Santos (PCdoB) e Matheus Gomes (PSol), fossem até o local do crime, na zona Norte da Capital, protestar e mostrar solidariedade à família de João Alberto Silveira Freitas.  

No local, dezenas de pessoas protestaram contra  a morte brutal. Uma faixa com  a frase “Justiça, Beto vive”, na entrada principal do supermercado, marcou a revolta dos populares e representantes de movimentos negros presentes no protesto. “O Dia 20 de novembro representa um dia de luta para nós, mas infelizmente hoje foi um dia de luto. Faríamos a apresentação da Bancada Negra e do simbolismo que será representar os negros na câmara, mas nossa causa agora é buscar apelo junto ao judiciário para que se faça justiça contra essa morte bárbara”, afirmou a vereadora eleita Laura Sito (PT).

Ela ressaltou, ainda, que a Bancada Negra terá cinco vozes para lutar contra o racismo estrutural e fazer coro em defesa da justiça e igualdade. “Nossa eleição foi também pela luta da igualdade racial. Não poderíamos deixar passar uma situação dessas. Infelizmente é mais uma vida de um negro  ceifada de forma  brutal e o violenta. Vamos  dar o suporte necessário à família”, frisou. 

A vereadora eleita Bruna Rodrigues (PCdoB), também mostrou indignação e se solidarizou com os familiares da vítima. “Fomos eleitos com a pauta central e principal da luta antiracista. Queremos resposta do Estado e do Carrefour sobre o que aconteceu. Somos a linha de frente da resistência e cinco vozes de jovens de periferia gritando na câmara. Queremos que a justiça seja feita”, enfatizou a vereadora.  

 Após o protesto em frente ao supermercado Carrefour, os representantes da Bancada Negra na Câmara Municipal de Porto Alegre cumpriram agenda na Praça do Tambor, no Centro Histórico, onde receberam a candidata à prefeitura Manuela D’ Ávila, para apoio a sua candidatura. No encontro, que teve a presença de políticos e populares, o  assassinato de João Alberto Silveira Freitas também teve grande repercussão.  

"No Dia da Consciência negra, um grito por justiça. Não é possível calar frente ao racismo diariamente. O racismo que estrutural e as relações de nossa sociedade precisam ser enfrentados de frente. As mulheres e homens brancos precisam assumir a sua responsabilidade na luta antirracista. Quantos Betos mais serão vítimas dessa violência?", questionou Manuela. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895