BM confirma segunda morte após confrontos na vila Cruzeiro do Sul, em Porto Alegre

BM confirma segunda morte após confrontos na vila Cruzeiro do Sul, em Porto Alegre

Saldo agora dos conflitos e da intervenção policial é de três presos, três feridos e dois óbitos

Correio do Povo

Na segunda-feira, a região foi ocupada pelo 1º BPM 1º BPChq

publicidade

A Brigada Militar confirmou na manhã desta terça-feira a segunda morte após os confrontos ocorridos ao amanhecer dessa segunda-feira na vila Cruzeiro do Sul, em Porto Alegre. Um dos feridos não resistiu aos graves ferimentos e teve óbito no Hospital de Pronto Socorro.

Conforme a BM, nenhum incidente foi registrado mais em toda cidade, inclusive durante o período noturno. O efetivo do 1º BPM permanece monitorando a área, inclusive com reforço do policiamento ostensivo.

Na manhã desta terça-feira, a Unidade de Saúde Moab Caldas, na avenida Moab Caldas, foi reaberta depois de ter ficado fechada durante toda a segunda-feira devido aos confrontos. Já a Unidade de Pronto Atendimento Cruzeiro do Sul permaneceu funcionando normalmente com segurança reforçada pela Guarda Municipal.

O saldo dos dois confrontos ocorridos na segunda-feira ficou em três presos, três feridos e dois mortos, além da apreensão de quatro pistolas, uma espingarda, um revólver, munições, telefones celulares e quatro veículos.

Conforme a BM, integrantes de uma facção foram até a vila Cruzeiro do Sul para atacar os rivais. Após um confronto entre os próprios criminosos, os policiais militares do 1º BPM foram para a região, ocorrendo então uma troca de tiros com o grupo invasor.

A 6ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (6ª DPHPP) da Polícia Civil investiga os incidentes.

Em toda a cidade, a BM prossegue com aumento de efetivo nas ruas, sobretudo no período noturno, para coibir os conflitos entre facções rivais que já produziram vários homicídios nas últimas semanas. Pelotões de batalhões de polícia de choque do Interior prestam apoio nas operações em áreas conflagradas pelo tráfico de drogas.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895