BM vai adquirir cerca de cinco mil câmeras corporais para policiais militares

BM vai adquirir cerca de cinco mil câmeras corporais para policiais militares

Os equipamentos serão utilizados por batalhões de Porto Alegre, Região Metropolitana, Vale do Rio dos Sinos e Serra

Correio do Povo

Equipamentos serão utilizados por batalhões de Porto Alegre

publicidade

A Brigada Militar vai adquirir cerca de cinco mil câmeras corporais serem empregadas em policiais militares. Os equipamentos serão utilizados por batalhões de Porto Alegre, Região Metropolitana, Vale do Rio dos Sinos e Serra. O primeiro lote, em torno de 900 aparelhos, será destinado até o final deste ano aos efetivos da BM em toda a Capital.

“O projeto é levar para todo o Rio Grande do Sul”, assegurou o diretor do Departamento de Informática da BM, tenente-coronel Alex Sander Pinheiro Severo. Ele explicou que a fase de teste aconteceu ao longo de 2021 e encerrou em maio passado. “Fechamos o relatório e estamos terminando de cadastrar o termo de referência, que é o documento para fazer a contratação do serviço", adiantou.

A experiência com a tecnologia ocorreu no 9º BPM e no 1º Batalhão de Polícia de Choque (1º BPChq) em Porto Alegre, além do veraneio passado com a operação Golfinho no Litoral Norte e na cidade de Rio Grande. O tenente-coronel considerou exitoso o uso das câmeras corporais na atividade operacional. “Testamos três modelos diferentes”, observou o tenente-coronel Alex Sander Pinheiro Severo.

“Elas têm dois tipos de gravação: uma é a que o policial acionou a câmera e a que tem a gravação contínua”, lembrou. “Se ele ficar 12 horas, a câmera vai gravar 12 horas”, frisou. “É um equipamento bem robusto”, avaliou.

O equipamento tem autonomia para gravar durante 12 horas ininterruptas. Após o turno de trabalho, o policial que estava portando a câmera a devolve no batalhão e as imagens são transmitidas para um servidor que armazena as gravações, cujo acesso é exclusivo do Comando-Geral da Brigada Militar. A tecnologia assegura que as imagens não sejam copiadas diretamente da câmera por nenhum dispositivo e não podem ser editadas.

O uso de câmeras corporais dos policiais militares já é uma realidade do dia a dia em Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rondônia e Distrito Federal.

Além de qualificar o conjunto de provas das práticas ilícitas, contribuindo para a efetividade da análise criminal, o emprego das câmeras corporais deve aumentar a transparência e a fiscalização das ações policiais e do uso da força, bem como conter a reação das pessoas em conflito com a lei pela percepção de que estão sendo gravadas.

“Com a câmera, o cara olha, vê que está sendo gravado e não vai xingar o policial...Ela vai evitar aquelas acusações infundadas onde o brigadiano não tem como se defender”, apontou o diretor do Departamento de Informática da BM. Por outro lado, disse o tenente-coronel Alex Sander Pinheiro Severo, o brigadiano terá que “cumprir o protocolo policial”.

O comandante-geral da Brigada Militar, coronel Cláudio dos Santos Feoli, destacou que “as câmeras corporais têm por condão proporcionar que as pessoas tenham noção da rapidez de raciocínio que é necessário para a atividade policial” e também para “a produção de provas”.

Começam testes de câmeras corporais para a Guarda Municipal​

Em uma iniciativa inédita na região, Rio Grande começou nesta semana a adotar câmeras corporais para os agentes da Guarda Municipal. A iniciativa está no período de testes até o final deste mês. Conforme informações da Prefeitura, por meio da assessoria de imprensa, o equipamento está sendo cedido pelo fabricante sem custo para os cofres públicos neste período.

Câmeras corporais de outras marcas também devem ser testadas até o final do mês de junho. Após este período, será realizada a avaliação sobre qual o melhor equipamento e quantas unidades  devem ser  compradas pelo município,( se todos os  aproximadamente 150 agentes que  trabalham nas ruas irão utilizar ou não), por meio de licitação.  A ideia é que  o uso do equipamento aumente a segurança tanto dos agentes, como das pessoas abordadas nas ações.

A câmera irá gravar tudo que ocorrer durante a abordagem. “Esse é um meio de oferecermos não só  segurança, mas  também transparência para o trabalho realizado pelos agentes”, destaca o secretário de Mobilidade Urbana e Segurança, Anderson Castro. O uso de câmeras corporais melhora e amplia o controle por  videomonitoramento na cidade.

Os equipamentos possuem tecnologia de transmissão online, o que possibilita o acompanhamento das imagens em tempo real através da Central de Videomonitoramento. Cada câmera vem equipada com uma bateria com autonomia de 12 horas. Quando a carga esgota todas as imagens são transferidas para  um software de armazenamento, onde permanecem pelo período de um ano.

Os testes estão sendo realizados com o objetivo de verificar, principalmente, a qualidade das imagens captadas em diferentes situações, como nos ambientes com pouca luz. “Não é possível o agente alterar ou adulterar as imagens captadas. A princípio a guarda será orientada a ligar a câmera somente nos momentos de abordagem, possibilitando que a Central acompanhe, tendo acesso às imagens e ao som do local”, finaliza Castro.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895