Brigada Militar prende ladrões que mantinham família refém dentro de casa em Caxias do Sul

Brigada Militar prende ladrões que mantinham família refém dentro de casa em Caxias do Sul

Uma das vítimas teve o corpo encharcado com querosene pelos assaltantes, que roubaram R$ 5,7 mil em dinheiro

Correio do Povo

Houve apreensão de pistola, revólver, munição, touca ninja, colete balístico e luva

publicidade

Dois criminosos que mantinham uma família refém dentro da residência foram presos em uma ação rápida da Brigada Militar na manhã desta sexta-feira em Caxias do Sul, na Serra. Durante o roubo na casa, na rua Gema Hoffman, no bairro São Luiz, uma das seis vítimas teve o corpo encharcado com querosene.

O efetivo do 12º BPM apreendeu uma pistola calibre nove milímetros com 15 munições, um revólver calibre 38 com cinco cartuchos, duas toucas ninjas, um colete balístico, dois pares de luvas e duas camisetas com emblema da Polícia Civil, além de uma garrafa de querosene, uma fita adesiva, uma corda e uma tesoura. Houve ainda a recuperação de cerca de R$ 5,7 mil em dinheiro, que havia sido subtraído.

O crime ocorreu por volta das 7h, quando a dupla de assaltantes armados rendeu um dos moradores na garagem da residência e anunciou o roubo. Uma das vítimas foi algemada e a outra recebeu querosene. Na moradia ainda estavam três crianças. Uma das vítimas conseguiu discretamente fazer contato com a Brigada Militar, que imediatamente deslocou as guarnições até o local.

Na chegada dos policiais militares, os ladrões tentaram fugir pelos fundos e foram detidos. Eles já possuem antecedentes por tráfico, roubo a residência com lesão, roubo a pedestre, roubo a estabelecimento comercial e suspeita de homicídio doloso.

O comandante do 12º BPM, tenente-coronel Emerson Ubirajara de Souza, elogiou a ação e comprometimento dos policiais militares envolvidos na ocorrência. "O êxito da ação foi possível graças a rápida troca de informações e o comprometimento dos policiais desde o recebimento da ligação para o 190 até o momento da prisão”, destacou.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895