Casal é executado com cerca de 80 tiros dentro de um apartamento em Araricá

Casal é executado com cerca de 80 tiros dentro de um apartamento em Araricá

Atiradores arrombaram a porta e, em um minuto, efetuaram os disparos sobretudo nos rostos das vítimas

Correio do Povo

Imóvel onde ocorreu o duplo homicídio fica em um condomínio na área central da cidade

publicidade

A  Polícia Civil investiga o caso do assassinato de um casal ocorrido no final da noite de quinta-feira em Araricá, na região do Vale do Rio dos Sinos. Um casal foi executado com cerca de 80 tiros dentro do apartamento em um condomínio situado na rua Emílio Jung, na área central da cidade. Os corpos das vítimas, sendo ele de 31 anos e ela de 25 anos, estavam caídos na sala. Titular da DP de Sapiranga, o delegado Fernando Branco observou que o imóvel teve a porta da entrada arrombada. "O casal estava jogando videogame no sofá. Alguns dos que executaram eles adentraram na sala e efetuaram os disparos da porta. Eles ficaram um minuto falando com as vítimas e logo em seguida começaram os disparos. Foi rápido", observou. "A investigação está no começo, mas temos a convicção de que vamos conseguir elucidar esse crime", assegurou."Esta é certamente a nossa prioridade.Vamos trabalhar incansavelmente", garantiu. "A principal linha de investigação é de envolvimento dele com atividade criminosa", adiantou. "Ela estava no local e na hora errada", acrescentou. 

Vizinhos escutaram os disparos por volta das 22h30min e acionaram então primeiro a Brigada Militar. O apartamento foi isolado para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias (IGP) através do Departamento de Criminalística e do Departamento Médico Legal. As vítimas foram executadas com cerca de 80 tiros de fuzil calibre 556, espingarda calibre 12 e de pistolas calibres 40 e 9mm, sendo atingidas sobretudo nos rostos. Marcas dos disparos também foram encontradas no lado externo do bloco residencial. O delegado Fernando Branco disse que os atiradores, cujo número ainda é incerto, chegaram no condomínio em um veículo de cor preta. "Eles pularam a grade. Não havia porteiro", afirmnou o titular da DP de Sapiranga.

As primeiras informações apontam que a jovem era natural de Campo Bom e atuava como influenciadora digital nas redes sociais, sendo modelo de roupas fitness e de lojas de vestuário, além de trabalhar como garçonete. O casal estava junto havia cerca de três anos, mas não residia junto. Conforme o delegado Fernando Branco, ela morava com a família em Campo Bom. Já o namorado, natural de Sapiranga, vivia no imóvel locado em Araricá. "Ele tinha antecedentes por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e também uma ocorrência de moeda falsa", constatou. As diligências dos policiais civis incluem depoimentos, análise de câmeras de monitoramento em toda a cidade e laudos periciais, entre outras. O celular dela, recolhido na sala, foi recolhido para exame.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895