Casal é preso pela morte de criança que estava em processo de adoção

Casal é preso pela morte de criança que estava em processo de adoção

Investigação da Polícia Civil de Gravataí envolve ainda dois irmãos da vítima

Correio do Povo

Agentes cumpriram os mandados de prisão preventiva em Três Coroas e Tramandaí

publicidade

A Polícia Civil prendeu um casal acusado da morte de uma criança que estava sendo adotada. A ação da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher e da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa, ambas de Gravataí, foi realizada na manhã desta quarta-feira. Os agentes cumpriram dois mandados de prisão preventiva, sendo que o homem, de 44 anos, foi detido em Tramandaí, e a mulher, de 39 anos, capturada em Três Coroas. Os dois são investigados pelo óbito de uma menina, de cinco anos, ocorrido no dia 21 de julho deste ano. A criança foi levada já sem vida a um posto de saúde de Gravataí.

Segundo a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, delegada Karina Heineck, os suspeitos residiam em Três Coroas, mas encontravam-se atualmente morando em um sítio no bairro Barro Vermelho, em Gravataí. A vítima e outras duas irmãs mais velhas dela, de seis e de nove anos, estavam em um processo de adoção pelo casal. “Havia denúncias no Conselho Tutelar de Três Coroas”, revelou, referindo-se ao fato dos três irmãos estarem frequentemente machucados pelo corpo devido aos maus-tratos. “Elas viviam quase uma tortura”, resumiu.

No posto de saúde, a desculpa do casal foi de que a menina havia caído. A delegada Karina Heineck disse que o laudo do Departamento Médico Legal do Instituto-Geral de Perícias apontou dois traumatismos como causa da morte da criança, sendo que até o intestino da vítima foi rompido. “A perita constatou que havia sinais muito sugestivos de estupro”, observou.

Conforma a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, as duas irmãs da vítima foram levadas para um abrigo pelo Conselho Tutelar. “Elas estão aos poucos ficam mais vontade pois estavam amedrontadas. Elas começaram a relatar coisas horríveis”, destacou.

Um outro menino, de seis anos, adotado há mais tempo pelo casal, também foi abrigado e a situação dele será possivelmente verificada pela DP de Três Coroas. O trabalho investigativo prossegue com apoio do delegado Eduardo Limberger do Amaral, titular da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Gravataí, que havia dado início à apuração da morte da menina. Dependo da análise de material apurado, o casal pode ser indicado por homicídio qualificado, maus-tratos, estupro e tortura.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895