Caso Henry: Polícia conclui inquérito e pede prisão preventiva de casal

Caso Henry: Polícia conclui inquérito e pede prisão preventiva de casal

Monique e Jairo estão presos temporariamente; investigação foi finalizada no dia em que o menino completaria cinco anos

R7 e Agência Brasil

Monique e Jairo foram presos temporariamente em 8 de abril por atrapalhar as investigações do caso

publicidade

A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou Monique Medeiros e Jairo Souza, o vereador Dr. Jairinho, ao finalizar o inquérito sobre a morte de Henry Borel nesta segunda-feira. Também foi pedida a prisão preventiva (sem prazo) do casal. A conclusão do caso ocorreu no dia em que o menino completaria cinco anos. A dupla foi indiciada por homicídio duplamente qualificado - impossibilidade de defesa da vítima e pelo emprego de tortura.

Além do homicídio, Jairinho também foi indiciado por dois episódios de crime de tortura ocorridos em fevereiro e Monique, por tortura por omissão, porque, segundo as investigações, ela sabia que o filho estava sendo torturado e não agiu para evitar o crime.

O inquérito foi enviado para o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro que vai decidir se denuncia ou não o casal pelos crimes.

Monique Medeiros tinha a expectativa de ser ouvida novamente pela polícia, após divulgar novas cartas em que detalhava a relação com Dr. Jairinho. A mãe do menino mudou a versão apresentada na delegacia após a morte do filho, em 8 de março, desde que trocou de advogado.

Monique e Jairo foram presos temporariamente em 8 de abril por atrapalhar as investigações do caso.  

Defesa

A defesa de Jairinho disse que houve muito açodamento para a conclusão do inquérito e que não há dúvida de que a mesma celeridade ocorrerá da parte do Ministério Público. “Esta pressa não é aconselhável em um processo de alta complexidade. A pressão da opinião publica não pode interferir sob pena do cometimento de erros graves”, informou a defesa.

A reportagem entrou em contato com a defesa de Monique Medeiros e aguarda posicionamento.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895