Chacina na praia da Solidão, em Mostardas, já tem quatro presos e dois foragidos
capa

Chacina na praia da Solidão, em Mostardas, já tem quatro presos e dois foragidos

Trabalho investigativo da Polícia Civil confirmou que ataque em uma boate ocorreu na guerra entre facções pelo controle tráfico de drogas no Litoral

Por
Correio do Povo

Casa em Palmares do Sul abrigou os autores do crime que deixou cinco mortos e quatro feridos

publicidade

A Polícia Civil confirmou na manhã desta quarta-feira que a residência na Estrada do Bacupari, em Palmares do Sul, onde um casal foi preso com drogas, havia sido utilizada pelos autores da chacina em uma boate na praia da Solidão, em Mostardas, no Litoral. No local, os agentes apreenderam crack suficiente para produzir cerca de 200 pedras, dinheiro e munição de pistola, durante uma ação realizada na última terça-feira. “O homem se diz de uma facção. A casa foi locada para um dos executores”, observou o delegado Antônio Carlos Ractz Júnior. “O casal pode ser indiciado por coparticipação. Vou analisar e investigar para ter mais elementos”, adiantou.

Por enquanto, o homem e a mulher vão responder por narcotráfico. As investigações prosseguem para elucidar o crime ocorrido na madrugada do dia 10 de agosto passado e que deixou cinco mortos e quatro feridos na casa noturna de Mostardas.

Quatro participantes da chacina já estão detidos. A mais recente prisão ocorreu também na terça-feira na rua Machadinho, no bairro Fátima, em Canoas, sendo feita pelo 15º BPM. Houve confronto de três indivíduos com os policiais militares. Dois suspeitos fugiram e o terceiro acabou detido com uma pistola de fabricação turca de calibre 9 milímetros e 15 cartuchos intactos. Houve então a constatação de que estava envolvido na chacina.

O delegado Antônio Carlos Ractz Júnior contabilizou que ainda faltam dois criminosos para serem capturados. Ele lembrou que a ordem das execuções veio de dentro do sistema prisional a partir de dois apenados da facção. Ele afirmou também que o crime ocorreu no contexto de uma “disputa entre facções” pelo controle do tráfico de drogas na região litorânea.