Corpo da jovem Amanda Albach Silva é sepultado no Paraná

Corpo da jovem Amanda Albach Silva é sepultado no Paraná

Ela cavou a própria cova antes de ser morta a tiros na Praia do Sol, na cidade catarinense de Laguna

Correio do Povo

Após prisão de trio em Canoas (RS), os policiais civis catarinenses foram até o local do crime

publicidade

O corpo da jovem Amanda Albach Silva, 21 anos, foi sepultado na manhã deste domingo no Cemitério Municipal de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, no Paraná. A paranaense foi encontrada morta na tarde de sexta-feira passada nas dunas da praia do Sol, em Laguna, no Litoral Sul de Santa Catarina. 

O trio envolvido no crime, dois homens e uma mulher, havia sido preso temporariamente na última quinta-feira em Canoas, no Rio Grande do Sul. Um deles confessou onde estava o corpo da vítima, que encontrava-se desaparecida desde o dia 15 de novembro. “Ele coagiu ela a caminhar com a pá, coagiu a cavar própria cova, deu os disparos, ela caiu e ele tapou de novo. Segundo ele, os outros dois não presenciaram o crime”, relatou o titular da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Laguna, delegado Bruno Fernandes. “Ele efetuou dois disparos de arma de fogo nela”, acrescentou.

Nos próximos dias será finalizada a investigação. O autor dos tiros terá o pedido de prisão preventiva encaminhado agora ao Poder Judiciário. Conforme o delegado Bruno Fernandes, o acusado “sentiu-se incomodado porque percebeu que a Amanda teria contado para terceiras pessoas de que ele seria envolvido com o tráfico de drogas”.

Além disso, apontou o titular da DIC de Laguna, a vítima fez a foto de uma arma que o acusado tinha em casa. “Ele não gostou desta situação e optou por tirar a vida dela”, resumiu o delegado Bruno Fernandes, observando que o homicídio ocorreu no final da noite de 15 de novembro. Nas dunas, a jovem ainda enviou um áudio para a família antes de ser morta.

O trabalho investigativo contou com apoio da DP de Imbituba, sob comando do delegado Nicola Pattel. “Não é o resultado que a gente gostaria de obter infelizmente…”, lamentou. “Para nós o que realmente importa é descobrir o que realmente aconteceu e chegar mais próximo da verdade possível dos fatos”, complementou o delegado Nicola Pattel.

"As prisões foram realizadas a partir de um trabalho muito bem feito, de excelência, dos policiais...", destacou o delegado-geral da Polícia Civil de Santa Catarina, Marcos Flávio Ghizoni Júnior.

Todos os três envolvidos eram conhecidos da jovem assassinada, sendo que a mulher seria a amiga mais próxima da vítima. As duas residiram juntas inclusive em Fazenda Rio Grande, no Paraná.

O delegado Bruno Fernandes confirmou que Amanda e o trio estiveram na noite de 14 de novembro em uma balada em Jurerê Internacional, no Norte da Ilha de Florianópolis. Depois, todos retornaram para a residência do acusado do crime, em Itapirubá, em Imbituba.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895