Defensoria Pública do RS pede indenização de R$ 200 milhões pela morte de João Alberto

Defensoria Pública do RS pede indenização de R$ 200 milhões pela morte de João Alberto

Foram incluídos na ação o Carrefour e a empresa Vector, responsável pela segurança no supermercado

Cláudio Isaías

Defensoria Pública do RS pede indenização pela morte de João Alberto

publicidade

A Defensoria Pública do Rio Grande do Sul (DPE/RS) ingressou com uma ação coletiva que pede indenização de R$ 200 milhões por danos morais e coletivos ao Carrefour pela morte brutal de João Alberto Silveira Freitas, o Beto, no dia 19 de novembro, no estacionamento do hipermercado na avenida Plínio Brasil Milano, no bairro Passo D'Areia, na zona Norte de Porto Alegre. A empresa Vector, responsável pela segurança no supermercado, também foi incluída na ação. O defensor público Andrey Régis de Melo, do Núcleo de Defesa Criminal, entende que há racismo no envolvimento do episódio.

"O valor deverá ser destinado a fundos de combate à discriminação e defesa do consumidor. A Defensoria Pública pediu ainda a interdição do hipermercado onde ocorreu o episódio por cinco dias, com o objetivo de diminuir os riscos de possíveis atos hostis que poderão ocorrer em decorrência de manifestações.

Veja Também

"A legislação estabelece que nós temos que levar em conta dois critérios. Um deles é o pedagógico: ou seja, a condenação tem que ser em um patamar que cause desconforto a quem praticou o dano. Para evitar que novas condutas sejam avaliadas e continuem sendo praticadas por ser muito barato. Por outro lado, também deve-se analisar a dimensão desse dano. Nesse caso, ela foi imensa”, explicou o dirigente do núcleo de Defesa do Consumidor e Tutelas Coletivas da DPE/RS, Rafael Pedro Magagnin.

Além disso, pede que a rede Carrefour crie em Porto Alegre, em 10 dias, um plano de combate ao racismo e tratamento discriminatório voltado para funcionários. No mesmo sentido, também solicita a adoção de campanhas de conscientização em redes sociais e mídia em geral. Determina ainda a afixação de ao menos 10 cartazes, em cada unidade da rede Carrefour no Brasil, destacando que discriminação é crime e que conste no material o telefone “disque 100”, para fins de denúncias.

A Instituição pede ainda que os réus custeiem o aparelhamento material da Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância (DPCI), anunciada recentemente pelo Governo do Estado. Também exige que os mesmos paguem os gastos utilizados pela Brigada Militar nas ações que foram realizadas para fazer a segurança nos locais onde ocorreram manifestações no caso no Carrefour do Passo D'Areia e na avenida bento Gonçalves, após a morte de João Alberto Silveira Freitas. Além disso, a Defensoria Publica apura ainda as ações individuais dos três funcionários envolvidos no caso Beto. Em caso de descumprimento, a multa será de R$ 100 mil por dia. A ação foi ajuizada na Vara de Tutelas Coletivas, no Foro Central de Porto Alegre. 

A Defensoria Pública vai promover uma audiência de conciliação entre as partes. “Ela deve ser um espaço para que todos os outros interessados participem da negociação, trazendo as suas perspectivas sobre o acontecimento e a responsabilização dos envolvidos. A ação se torna, então, um espaço de diálogo frente à resolução dessa demanda”, ponderou a diretora do núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da DPE/RS, Aline Palermo Guimarães. A família de João Alberto, que esteve presente na sede do órgão durante a coletiva de imprensa promovida para o fornecimento de detalhes sobre o trâmite, não é citada na ação coletiva. Há a expectativa de que a viúva e o pai da vítima entrem com pedidos individuais na Justiça para a reparação do ocorrido. 

A entrevista coletiva sobre o Caso Beto contou com a presença do subdefensor Público Geral para Assuntos Jurídicos, Alexandre Brandão Rodrigues, a dirigente do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos, Aline Palermo Guimarães e o dirigente do Núcleo de Defesa do Consumidor, Rafael Pedro Magagnin. Também estiveram presentes na coletiva o pai de Beto, João Batista, a esposa Milena, além de Marina Oliveira e Douglas Pereira, do Coletivo Alicerce, Negro e Popular, Arícia Santos e Ana Lúcia Santos, do projeto Sankofa, e o presidente do Movimento Negro Unificado (MNU), Gleidson Dias.
 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895