Deic investiga golpe do depósito bancário com envelope vazio na aquisição de mercadorias das vítimas

Deic investiga golpe do depósito bancário com envelope vazio na aquisição de mercadorias das vítimas

Um criminoso já foi preso pela Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos e Defraudações

Correio do Povo

Estelionatário foi flagrado em agência da Caixa Econômica Federal em Porto Alegre

publicidade

O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil apura o golpe do depósito bancário com envelope vazio na aquisição de mercadorias das vítimas. Um dos envolvidos foi preso pela equipe da Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos e Defraudações (DRCID) no interior de uma agência da Caixa Econômica Federal no bairro Alto Petrópolis, em Porto Alegre.

A operação policial começou ainda na tarde de quarta-feira. O delegado André Lobo Anicet informou à reportagem do Correio do Povo que o trabalho investigativo prossegue para identificar o restante da quadrilha de estelionatários. A DRCID havia sido comunicada pela Caixa Econômica Federal de que seguidamente um indivíduo fazia diversos depósitos bancários por meio de envelopes vazios.

Os agentes localizaram então as vítimas que relataram a venda e entrega de determinado produto na internet, seja em plataformas de comércio online ou redes sociais, mas não receberam o valor solicitado pois o suposto comprador efetuou o depósito bancário com envelope vazio.

A instituição bancária identificou qual agência bancária tinha a maior incidência de depósito em envelopes vazios. Os policiais civis da DRCID monitoraram o local por um longo período e finalmente flagraram o criminoso realizando os depósitos bancários em envelopes vazios.

Com antecedentes por roubo, homicídio e tráfico de drogas, além de outros crimes de menor potencial ofensivo, o golpista, de 36 anos, foi preso em flagrante. De acordo com o delegado André Lobo Anicet, o estelionatário é responsável por fazer em torno de 75 depósitos fraudulentos, somando um valor aproximado de R$ 130 mil de prejuízos às vítimas.
 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895