Denarc apreende mais de 100 munições no bairro Humaitá, em Porto Alegre

Denarc apreende mais de 100 munições no bairro Humaitá, em Porto Alegre

Houve ainda o recolhimento de duas pistolas, um kit roni que as transforma em submetralhadora e carregadores prolongados

Correio do Povo

Responsável pelo material será indiciado

publicidade

Mais de 100 munições, além de duas pistolas, um kit roni que as transforma em submetralhadoras e carregadores prolongados, foram apreendidas pelo Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil em Porto Alegre. A ação foi coordenada nessa segunda-feira pelo delegado Guilherme Dill.

A diligência começou após denúncias de que armas de fogo e drogas estariam sendo armazenadas por um indivíduo em uma determinada casa no bairro Humaitá. Com as informações, os policiais civis foram ao local indicado. O filho do morador não estava na residência.

No quarto dele foram encontradas as duas pistolas com numerações raspadas, sendo uma de origem austríaca e outra de fabricação israelense, bem como o kit roni e os carregadores prolongados.

O pai do suspeito foi conduzido ao Denarc e, no caminho, ligou para seu filho, orientando-o a ir também para o órgão policial. Pelo telefone, o filho ofereceu vantagens indevidas aos policiais civis para que deixassem o “caso quieto”.

O pai do suspeito presenciou o ato e se indignou com a atitude do filho. Ele foi ouvido na condição de testemunha e posteriormente liberado. O suspeito será indiciado e responderá pelos crimes de corrupção ativa e porte ilegal de arma de fogo, pois não compareceu ao órgão no dia e não foi localizado.

Para o delegado Guilherme Dill, o fato é de “extrema gravidade pela tentativa de se livrar dos crimes mediante atos corruptivos, que não são tolerados na instituição, bem como pela potencialidade lesiva dos armamentos apreendidos, que possuíam seletor de rajada semelhante aos de fuzis”.

Já um indivíduo que se passava por policial militar foi preso pela equipe do delegado Wagner Dalcin na Zona Norte de Porto Alegre. Houve a apreensão de diversos simulacros de arma de fogo, dezenas de munições de calibres diversos e aproximadamente R$ 2 mil em dinheiro, além de uma carteira e insígnia da Brigada Militar.

Segundo o delegado Wagner Dalcin, o setor de investigações investigava o suspeito por armazenar armamentos na residência. Munidos de um mandado judicial de busca e apreensão, os policiais civis foram então até o local.

Preso em flagrante, o falso policial militar foi liberado após o pagamento de fiança. As investigações prosseguirão para identificar a origem do material de uso exclusivo da Brigada Militar, e eventual envolvimento de outras pessoas.

Foto: PC / Divulgação / CP


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895