Desaparecimento de casal intriga Polícia Civil em Cachoerinha

Desaparecimento de casal intriga Polícia Civil em Cachoerinha

Vítimas não foram mais vistas desde o feriadão de Carnaval

Correio do Povo

Eles estavam casa da filha em Canoas, onde sumiram

publicidade

Mistério no desaparecimento do casal Rubens Heger, 85 anos, e Marlene Heger Stafft, 53 anos, moradores de Cachoeirinha. As vítimas não foram mais vistas desde o feriadão de Carnaval. O caso é investigado pela equipe da 1ª DP de Cachoeirinha, sob comando do delegado Anderson Spier.

“Não temos ainda nenhuma informação sobre o paradeiro do casal. Realizamos algumas diligências tentando descobrir a localização, mas até o presente momento infelizmente não tivemos êxito", explicou o delegado Anderson Spier na manhã desta segunda-feira à reportagem do Correio do Povo.

"Estamos aguardando o retorno de algumas perícias solicitadas ao IGP e também algumas medidas judiciais representadas na semana passada e que são imprescindíveis para o prosseguimento das investigações", acrescentou.

"Esta semana vamos realizar a oitiva de um dos netos do senhor Rubens e que estava presente na casa quando ele desapareceu..", adiantou. 

Imagens de uma câmera de monitoramento mostram o Ford Fiesta, da filha de Rubens, de 51 anos, manobrando na moradia deles no dia 27 de fevereiro, para buscá-los. 

Aos policiais civis, a filha contou que o pai e a madrasta desapareceram no dia 2 deste mês, na residência dela, no bairro Rio Branco, em Canoas. Eles não foram encontrados, após ela retornar de um posto de saúde depois de ter passado mal. 

O registro do desaparecimento foi efetuado no mesmo dia 2 por um outro filho do pai, de 60 anos. Na moradia do casal, no bairro Carlos Wilkens, em Cachoeirinha, o filho encontrou as portas e janelas entreabertas. O veículo das vítimas permanecia na garagem. Havia sinais do interior da casa ter sido revirado. A cachorra de estimação foi localizada morta no pátio. 

Os agentes da 1ª DP de Cachoeirinha descobriram que há cerca de cinco meses Rubens Heger vendeu um caminhão por R$ 70 mil, mas o dinheiro não foi levado da casa.

Uma suposta mensagem por telefone celular dizia que o casal estava na casa de amigos em Guaíba. Desde então, os telefones deles estão desligados.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895