Encontrado corpo de dentista desaparecida em Santa Maria

Encontrado corpo de dentista desaparecida em Santa Maria

Barbara Machado Padilha, de 32 anos, estava desaparecida desde sábado

Correio do Povo

Corpo da dentista foi encontrado às margens da BR 158

publicidade

O corpo da dentista Barbara Machado Padilha, de 32 anos, foi encontrado na tarde desta quarta-feira, em Santa Maria, na região Central do Rio Grande do Sul. De acordo com tenente coronel José Carlos Sallet, comandante do Corpo de Bombeiros de Santa Maria (10º BBM), ela estava um matagal às margens da BR 158, no centro urbano do município, cerca de 300 metros da avenida principal. Segundo o delegado regional de Polícia, Sandro Meinerz, o corpo da vítima estava em local de difícil acesso.  

As buscas tiveram êxito graças a cadela Juju, um dos cães farejadores do 4º Comando Regional dos Bombeiros que atuaram nas investigações. O marido da dentista, Pedro Melo Ribas, e o tio da vítima, Gustavo Lírio, acompanharam a investigação na tarde de hoje. 

De acordo com a família de Barbara, ela apresentou comportamento incomum nos últimos dias. Estava quieta e tinha parado de frequentar a academia de ginástica e o Instituto de beleza. "Tentamos levá-la a um psicólogo, mas ela não aceitou", disse o marido. A dentista não tinha filhos. 

A mobilização envolveu a Polícia Civil, 4º Batalhão de Bombeiros Militar e Polícia Rodoviária Federal. 

Desaparecimento 

Barbara foi vista pela última vez na noite de sábado no trevo do Castelinho, no entroncamento da ERS 509, BR 158 e BR 392, em Santa Maria. Ela permaneceu em torno de meia hora em uma loja de conveniência de um posto de combustível e saiu a pé com destino à avenida Osvaldo Cruz.

Imagens de uma câmera de monitoramento externa do estabelecimento mostram que a vítima estava sozinha ao deixar o local, após comprar chocolate e água. Ela havia contratado um motorista de aplicativo que trabalha com carro executivo para levá-la de Tupanciretã até Santa Maria.

Na tarde de sábado passado, a dentista deixou o escritório de advocacia do marido na área central de Tupanciretã. Ela não chegou na residência do casal. Em torno de duas horas depois, o marido foi para a casa e não a encontrou. A bolsa com documentos não foi levada junto. A porta estava aberta e a chave estava caída no solo.

Com informações do repórter Renato Oliveira 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895