Enteado será indiciado por homicídio qualificado na morte de tenente em Sapiranga

Enteado será indiciado por homicídio qualificado na morte de tenente em Sapiranga

Bombeiro militar Glaiton Silva Contreira foi dopado com éter e depois degolado

Correio do Povo

Vítima estava atualmente no 2º Batalhão de Bombeiros Militar

publicidade

A Polícia Civil deve indiciar por homicídio qualificado o autor do assassinato do primeiro tenente Glaiton Silva Contreira, 52 anos, do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Sul (CBMRS). Trata-se do enteado da vítima, um jovem de 25 anos, que foi preso em flagrante na noite dessa segunda-feira, após a descoberta do corpo do oficial na rua Travessão Campo Bom, no bairro São Luís, em Sapiranga, quase no limite com Campo Bom. Ele já confessou o crime. O oficial do CBMRS, que foi degolado, encontrava-se desaparecido desde a tarde de domingo passado, quando saiu de casa. 

O inquérito é presidido pelo titular da DP de Sapiranga. “O enteado decidiu agir por uma disputa envolvendo um imóvel que seria dividido na separação do morto e da mãe dele”, explicou o delegado Fernando Pires Branco em entrevista ao Correio do Povo. “Ele achava que a mãe ia ser prejudicada”, acrescentou. “Ele caiu em contradições no depoimento dele e achamos estranho...logo em seguida confessou”, complementou.

As circunstâncias em que o crime foi praticado estão sendo esclarecidas pelos policiais civis nas investigações. “A vítima foi dopada com éter e desacordou. Isto aconteceu dentro do carro da vítima”, revelou o titular da DP de Sapiranga. “Houve um golpe de instrumento perfuro cortante no pescoço”, afirmou. O delegado Fernando Pires Branco observou que o Toyota Corolla, do bombeiro militar, foi localizado com o enteado. 

A arma do crime e o frasco com éter, além do telefone celular da vítima, teriam sido dispensados pelo suspeito em um arroio na rua Presidente Franklin Roosevelt, na área central da cidade. Já no celular do jovem foram encontrados pesquisas na internet sobre como esfaquear alguém e colocar éter na boca para desfalecer a pessoa. 

As preocupações pelo desaparecimento do tenente aumentaram quando não apareceu para o trabalho na segunda-feira e não havia sinal do telefone celular. Familiares e colegas de farda mobilizaram-se inclusive nas redes sociais e uma ocorrência foi então registrada na Polícia Civil. 

Tendo ingressado em 7 de dezembro de 1989 na corporação, o primeiro tenente já comandou vários batalhões na região do Vale do Rio dos Sinos. Ele atualmente estava conduzindo os pelotões de Montenegro e Taquari do 2º Batalhão de Bombeiros Militar (2º BBM). De luto, o CBMRS divulgou nota oficial de pesar. “Neste momento de dor, prestamos as nossas condolências aos familiares e a todos os colegas do Corpo de Bombeiros Militar”, manifestou-se a instituição.

Já a prefeita de Sapiranga, Corinha Molling, decretou luto oficial por um dia e postou também nota oficial. “Estamos muito tristes com o ocorrido. O Tenente Contreira desempenhou um importante papel para o Município, com um trabalho reconhecido por todos. É uma notícia que nos deixa estarrecidos e que só temos a lamentar. Externamos nossos sentimentos de condolências e rogamos a Deus o conforto aos familiares por esta perda irreparável’’, declarou no documento.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895