Facção tem prejuízo com apreensão de cocaína, maconha e ecstasy em Novo Hamburgo

Facção tem prejuízo com apreensão de cocaína, maconha e ecstasy em Novo Hamburgo

Denarc calculou perda superior a R$ 50 mil para a organização criminosa

Correio do Povo

Ação dos policiais civis ocorreu em apartamento de condomínio no bairro Canudos

publicidade

O Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil calculou nesta quarta-feira que uma facção teve um prejuízo superior a R$ 50 mil com a apreensão de 1,5 quilo de cocaína, meio quilo de maconha e 204 comprimidos de ecstasy, em Novo Hamburgo, no Vale do Rio dos Sinos. A ação, conduzida pelo delegado Guilherme Dill, ocorreu nessa terça-feira no bairro Canudos. Um traficante foi preso.

Denúncias encaminhadas ao telefone gratuito 08000-518-518 do Denarc apontaram a prática de tráfico de drogas em um apartamento de um condomínio residencial. No local, os policiais civis conversaram com moradores e confirmaram a movimentação de pessoas com aparência de usuários no imóvel, além da constante entrada e saída do suspeito.

Um breve monitoramento foi realizado no condomínio. Os agentes também sentiram o forte odor de maconha no corredor. Com o ingresso no apartamento, o traficante foi preso. Ele já tinha antecedentes por violência doméstica. Além dos entorpecentes, a equipe do delegado Guilherme Dill recolheu 15 munições, balanças e caderno de anotações referentes ao narcotráfico.

Após a prisão, os moradores do condomínio agradeceram pois não aguentavam mais a movimentação intensa de usuários e outros traficantes no local, efetuando atos ilícitos na frente de crianças sem que fossem responsabilizados.

Segundo o delegado Guilherme Dill, o fato demonstra “a importância da contribuição da população com a polícia, de modo que a partir de uma simples denúncia, verificada sua credibilidade e corroborada com demais informações, foi possível desmantelar já no início uma prática de tráfico de drogas”.

Para ele, a permanência da situação “provavelmente geraria efeitos negativos na segurança da comunidade, com o aumento da circulação de viciados e usuários e até guerra com outros traficantes”.


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895