Ferrari é recolhida em operação contra empresa que atuava com criptomoedas sem autorização

Ferrari é recolhida em operação contra empresa que atuava com criptomoedas sem autorização

Veículo é avaliado em cerca de R$ 650 mil

Por
Correio do Povo

Carro estava em um condomínio na serra gaúcha


publicidade

Uma Ferrari vermelha foi apreendida pela Polícia Federal em um condomínio na Serra gaúcha, na manhã desta segunda-feira, nos desdobramentos da operação Egypto, deflagrada na última terça contra uma instituição financeira sem autorização do Banco Central que atuava com investimentos em criptomoedas. O veículo, modelo California, ano 2009, é avaliado em cerca de R$ 650 mil. Na semana passada, as autoridades já haviam recolhido 36 automóveis de luxo e esmeraldas.

A ação investiga a atuação de um grupo que, desde fevereiro de 2018, já havia captado cerca de 55 mil clientes de todo o país interessados em investir em criptomoeda e movimentado cerca de R$ 850 milhões. A empresa fica sediada em Novo Hamburgo e os cinco sócios, sendo dois casais e um homem, foram detidos junto com a esposa do último e outros quatro colaboradores.

Foto: Polícia Federal / Divulgação / CP 

Houve também o bloqueio judicial de ativos financeiros em nome de pessoas físicas e jurídicas, bem como de dezenas de imóveis, além do recolhimento de um equipamento que permite compra de criptomoeda. O auditor fiscal da Receita Federal, Heverton Luiz Caberlon, revelou que o montante foi repassado pelas vítimas através de 3 mil agências bancárias em 823 cidades brasileiras.


No Rio Grande do Sul, a captação do dinheiro ocorreu em 288 municípios, sendo que foram depositados R$ 128 milhões apenas em Caxias do Sul, seguido de R$ 77 milhões em Porto Alegre e R$ 61 milhões em Novo Hamburgo. As investigações apuraram que, ao invés de criptomoeda, o dinheiro dos clientes estava sendo direcionado para aplicações tradicionais de renda fixa e com baixa rentabilidade, servindo para a compra de imóveis e carros de luxo, além de esmeraldas, entre outros bens, dos sócios.
Foto: Polícia Federal / Divulgação / CP