Governador fala em “violência extrema" e delegado considera maior assalto já feito em SC

Governador fala em “violência extrema" e delegado considera maior assalto já feito em SC

Polícia Civil não descarta que a ação foi cometida por quadrilha de São Paulo

Correio do Povo

Dez veículos de luxo, usados na fuga, foram abandonados em um milharal em Nova Veneza

publicidade

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, considerou o ataque a banco em Cricíuma como de “uma violência extrema”. No final da manhã desta terça-feira, ele participou de uma entrevista coletiva à imprensa junto com o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, e comandos da Polícia Militar, Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias, na cidade. "Não é comum no cotidiano de Santa Catarina”, observou o governador. "Santa Catarina não tolera esse tipo de episódio, nossas forças de segurança darão pronta resposta a esses criminosos", garantiu. Já o prefeito Clésio Salvaro afirmou que a cidade “viveu algo surreal” e “um momento de terror”. O ataque com explosivos foi cometido por uma quadrilha fortemente armada entre a noite de segunda e madrugada desta terça-feira.

Veja Também

Para o delegado Anselmo Cruz, da Diretoria Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil, trata-se do maior roubo já registrado em Santa Catarina. Ele destacou o trabalho de investigação para reunir elementos e vestígios que levem à identificação dos autores que planejaram o ataque com vários meses de antecedência e que “isso de pronto já remete a grupos de fora do estado”.

 “Sabemos que esse tipo de ação é proveniente de fora, especialmente de São Paulo. Não de integrantes de facções criminosas, mas de indivíduos que já são assaltantes e alguns até conhecidos de São Paulo. Possivelmente, são responsáveis pelas ações mais violentas no Brasil nos últimos anos”, avaliou. Anselmo Cruz não descartou mesmo assim a participação de criminosos catarinenses.

“Se o propósito dos bandidos era o de vir aqui roubar o dinheiro e provocar o terror, eles conseguiram”, admitiu, mas manifestou a confiança na segurança pública catarinense. “Eles vão pagar por este terror que provocaram...Tenho certeza que a polícia vai encontrá-los, recuperar o dinheiro e vão pagar pelo crime que cometeram”, enfatizou o prefeito de Criciúma.

Durante o ataque, Clésio Salvaro contou que pediu nas redes sociais para que a população ficasse dentro das residências “A cidade neste momento está sitiada. São criminosos muito bem preparados. Certamente vieram de outros estados da federação. Recomenda-se que você fique em casa”, disse. “Criciúma é alvo de um assalto de grandes proporções. Junto às autoridades militares e forças de segurança, seguimos monitorando e acompanhando o desenrolar dos fatos. Fiquem em casa. Muito cuidado”, complementou na ocasião.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895