Governo avalia três imóveis para alojar detentos
capa

Governo avalia três imóveis para alojar detentos

Com a determinação judicial, o governo alugará locais

Por
Eduardo Amaral

Policiais militares custodiam presos que estão detidos em viaturas

publicidade

Diante da determinação judicial de que a Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) resolva o problema de detidos em viaturas da Brigada Militar, que na tarde de ontem chegou a ter 159 presos, em 48 horas, o governo irá alugar prédios para alojá-los. Um dos imóveis deve ter as reformas concluídas em 30 dias. Este será um Centro de Triagem com capacidade para 200 detentos. O Estado também deve definir o aluguel de outros prédios. Três imóveis, dois na Capital e um na Região Metropolitana, estão sendo avaliados. 

 O governo foi intimado, ontem, para que 690 presos deixem os presídios e passem a cumprir pena nos regimes semiaberto ou aberto. O pedido foi da Defensoria Pública que considerou este grupo apto para progredir aos regimes. O titular da Secretaria de Administração Penitenciária, Cesar Faccioli, e o governador Eduardo Leite, se reuniram, de tarde, para discutir soluções a curto prazo para o problema.

Além do aluguel de prédios, outra medida é o uso de 350 tornozeleiras vindas de Santa Cruz do Sul para atender à demanda de Porto Alegre e Região Metropolitana. Os equipamentos, de acordo com o governo, devem chegar na próxima semana. Em dois dias (terça e quarta-feira) viaturas da BM ficaram estacionadas em frente ao Palácio da Polícia com presos. Na manhã de terça, eram 48 detidos. Na tarde de ontem, o número subiu para 159 presos nestas condições. As viaturas ficaram em cima da calçada e uma corrente não deixava as pessoas seguirem o caminho direto. 

Com a demanda crescente, parte do efetivo de 340 policiais militares, vindos do Interior para reforçar o policiamento durante a Copa América, foi deslocada para custodiar os detidos que aguardavam vagas nas prisões. Os brigadianos se revezavam em turnos de até 8h para vigiar os detidos.