Governo pede prazo para se manifestar sobre fundo da Lava Jato para queimadas
capa

Governo pede prazo para se manifestar sobre fundo da Lava Jato para queimadas

STF aguarda manifestação sobre a possibilidade de destinar R$ 800 milhões para combate aos incêndios florestais

Por
AE

Queimada nesta sexta-feira em Boca do Acre, cidade do estado do Amazonas

publicidade

A Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais cinco dias para que órgãos do governo federal (o Ministério da Economia, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e a própria AGU) enviem ao tribunal uma manifestação sobre a possibilidade de destinar R$ 800 milhões - , oriundos de multa paga pela Petrobras em acordo com a Justiça americana - à prevenção e ao combate de incêndios florestais na região amazônica.

O relator do caso, ministro Alexandre de Moraes, determinou que os órgãos opinassem dentro de 48 horas - prazo que se encerra neste domingo. O destino dos R$ 2,5 bilhões do Fundo da Lava Jato parou na Suprema Corte em março, depois de a Procuradoria-Geral da República (PGR) questionar o acordo fechado entre a Petrobras e a força-tarefa da Lava Jato no Paraná que estabeleceu, entre outros pontos, a criação de uma fundação para gerir parte da multa.

O caso caiu com Moraes, que resolveu suspender o acordo entre a estatal e o Ministério Público paranaense. "Com a finalidade de alinhar os entendimentos dos diversos órgãos federais envolvidos nas mencionadas tratativas e de se colher manifestação dos ministérios interessados sobre a proposta, revela-se necessária a ampliação do prazo inicialmente concedido ao ente central para o seu pronunciamento", escreveu o advogado-geral da União, ministro André Mendonça, ao solicitar a Alexandre de Moraes mais tempo para se pronunciar sobre a proposta da Câmara.

Recursos

Com a situação gerada pelas queimadas que afetam a região amazônica, a mesa diretora da Câmara afirmou ao STF ser "urgente" que parte da multa seja destinada à prevenção e combate de incêndios florestais.

A Câmara pede ainda que R$ 200 milhões sejam usados para descontingenciar o bloqueio orçamentário que existe em desfavor de programas relacionados à proteção do meio ambiente, seja relacionado diretamente ao Ministério do Meio Ambiente ou demais órgãos e entidades a ele vinculados.