Governo recebe armas para revistas e contenção de presos
capa

Governo recebe armas para revistas e contenção de presos

Dezoito fuzis serão encaminhados para utilização de ações de agentes penitenciários no sistema prisional

Por
Álvaro Grohmann

Armamento será utilizado por agentes da Susepe

publicidade

A Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) recebeu, na manhã desta sexta-feira, 18 fuzis calibres 556, de fabricação nacional, para emprego no sistema prisional gaúcho. O investimento total é de R$ 111 mil, sendo a verba oriunda do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). O secretário da Administração Penitenciária, César Faccioli, destacou que os armamentos serão utilizados pelos agentes penitenciários principalmente para escolta de detentos, trazendo mais segurança também nos deslocamentos e custódias.

“A escolta é muito importante para a logística no sistema prisional, tanto para a movimentação de presos quanto para a gestão de crises dentro e fora dos presídios”, afirmou. Ele confirmou a viagem em julho para Brasília onde buscará recursos federais para serem aplicados na área prisional do Rio Grande do Sul, sobretudo em equipamentos, viaturas e projetos de reforma  ou construção de novos presídios. “Há uma boa vontade do ministro Moro”, observou. 

Já o diretor do Departamento de Segurança e Execução Penal da Susepe, Cristiano Fortes, explicou que está discutido o destino do armamento “para ver a melhor alternativa de distribuição conforme as áreas mais necessárias”. Ele adiantou que os fuzis ficarão com os efetivos do Grupo de Ações Especiais (GAES) e do Grupo de Operações Penitenciárias Especiais (GOPE), podendo serem empregados também em operações, revistas e ações de contenções de distúrbios por parte dos apenados. A arma é acompanhada de bandoleira, kit de manutenção e cinco carregadores com capacidade de 30 tiros cada.

A Susepe é responsável por 112 estabelecimentos prisionais com cerca de 41 mil detentos. A solenidade de entrega contou com a presença dos agentes penitenciários Rodrigo Sponchiado e Patrick Nascimento, do setor de material bélico da Susepe.