capa

Incêndio atinge prédio comercial no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre

Dois caminhões do Corpo de Bombeiro atenderam a ocorrência e ninguém ficou ferido

Por
Felipe Samuel

Incêndio atingiu prédio comercial localizado na rua Olavo Barreto Viana, no Moinhos de Vento

publicidade

Um incêndio tomou conta do primeiro andar de um prédio na rua Olavo Barreto Viana, no Moinhos de Vento, na noite deste domingo. Por volta das 22h, os bombeiros foram acionados para controlar o foco das chamas na área que concentrava a parte elétrica e de baterias da estrutura, que tem seis andares e fica localizada próxima à Padre Chagas - uma região bastante movimentada no fim de semana. Dezenas de curiosos acompanharam os trabalhos dos bombeiros da calçada. Ninguém ficou ferido.

A via foi parcialmente bloqueada para a chegada dos dois caminhões. Pelo menos oito bombeiros trabalharam na contenção do incêndio. A ação para debelar o fogo e extinguir levou menos de 20 minutos. "Uma primeira equipe chegou e não havia tantas chamas, mas havia muita fumaça justamente por ser um local confinado. Iniciamos primeiro o acesso, mas a fumaça acabou se espalhando. Então uma segunda equipe chegou ao local para poder resfriar todo o ambiente, liberar a fumaça e eliminar o foco que era em um ou dois equipamentos de baterias ou eletrônicos", afirma o tenente Leonardo Siqueira.

 

O oficial explica que não tem como detalhar inicialmente as causas do incêndio no prédio, que abriga uma empresa especialista em tecnologia para o varejo. "Não temos como detalhar o fato gerador. No entanto, como era um espaço confinado, por óbvio existe um acúmulo de caloria muito grande. Isso faz com que dificulte nosso acesso no ambiente e faz com que o acúmulo de fumaça seja muito grande", observa. O tenente ressalta que o local que pegou fogo é uma peça pequena. "Ficou totalmente destruída, parte pelas chamas e parte pela caloria, que derreteu todos os objetos que tinham próximos", completa.

Conforme o Corpo de Bombeiros, alguns sistemas de prevenção constam no prédio, como luminárias de incêndio - que estavam acesas, após o corte de energia - e a existência de extintores nos locais onde a legislação exige. "Tem sistema hidráulico de incêndio e um sprinkler (um dispositivo comumente utilizado no combate a incêndios) que foi acionado em função dessa caloria", assegura.