Intoxicação medicamentosa foi a causa da morte da dentista Bárbara Machado Padilha

Intoxicação medicamentosa foi a causa da morte da dentista Bárbara Machado Padilha

Laudo do Instituto-Geral de Perícias (IGP) foi concluído e entregue para a Polícia Civil

Correio do Povo

Corpo da vítima, desaparecida em Tupanciretã, foi encontrado em uma mata fechada, ao lado da BR 158, em Santa Maria

publicidade

O Instituto-Geral de Perícias concluiu os laudos sobre a morte da dentista Bárbara Machado Padilha, 32 anos, cujo corpo foi encontrado na tarde do dia 14 de outubro passado em um matagal de difícil acesso, distante cerca de 300 metros da BR 158, em Santa Maria. “A causa da morte foi intoxicação medicamentosa”, informou a instituição em nota oficial. O laudo pericial foi encaminhado para a Polícia Civil.

A necropsia foi realizada no Posto Médico-Legal de Santa Maria. Já as amostras do sangue, urina e víscera foram coletadas e enviadas para o Departamento de Perícias Laboratoriais, em Porto Alegre. “No DPL, foram realizadas e concluídas análises para apontar ou descartar conteúdo toxicológico, como álcool, drogas e medicamentos”, observou o IGP. “A pesquisa apontou grande quantidade de um composto medicamentoso”, acrescentou. 

DESAPARECIMENTO

A dentista havia desaparecido da cidade de Tupanciretã no dia 10 de outubro, um final de tarde de sábado. A localização do corpo ocorreu graças a um dos cães farejadores do 4º Batalhão de Bombeiros Militar. Os animais atuaram nas buscas que mobilizaram também a Polícia Civil e a Polícia Rodoviária Federal.

Um indicativo de que a vítima poderia encontrar-se na região onde o corpo acabou sendo encontrado foi a descoberta de pegadas de botas compatíveis com a usada pela dentista. O último rastreamento do sinal do telefone celular dela, verificado no início da manhã de domingo, também apontou para a área. O aparelho e a bolsa da dentista não foram encontrados.

O inquérito foi conduzido pelos delegados Sandro Meinerz e Adriano de Rossi após o desaparecimento da vítima em Tupanciretã, onde residia com o marido. Em nota oficial, a Polícia Civil observou que “o corpo não apresentava nenhum sinal de violência, apenas arranhões decorrentes da mata extremamente fechada e densa que ela atravessou para chegar até aquele local”.

Buscas

Após o desaparecimento, Bárbara Machado Padilha foi vista pela última vez na noite do próprio dia 10 de outubro no trevo do Castelinho, no entroncamento da ERS 509, BR 158 e BR 392, em Santa Maria. Ela permaneceu em torno de meia hora em uma loja de conveniência de um posto de combustível e saiu a pé com destino à avenida Osvaldo Cruz.

Imagens de uma câmera de monitoramento externa do estabelecimento no local mostram que a vítima estava sozinha ao deixar o local, após comprar chocolate e água. A dentista também havia sido vista atravessando uma ponte e depois uma câmera de segurança de um estabelecimento comercial flagrou-a caminhando sozinha, em local escuro, na direção de onde foi localizada. Um mutirão de buscas foi então realizado.por policiais civis, bombeiros militares e policiais rodoviários federais na região.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895