Isolamento, revista e vigilância redobrada para os dez líderes de facções na Pasc em Charqueadas

Isolamento, revista e vigilância redobrada para os dez líderes de facções na Pasc em Charqueadas

Autoridades penitenciárias avaliaram como "tranquilo" o dia seguinte à transferência dos apenados vindos da Cadeia Pública de Porto Alegre, Penitenciária Estadual de Porto Alegre e Penitenciária Modulada Estadual de Charqueadas

Correio do Povo

Remoção ocorreu na quarta-feira sob forte aparato policial

publicidade

A Secretaria de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo (SJSPS), por meio da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), avaliou nesta quinta-feira como “tranquilo” o dia seguinte à transferência dos dez líderes de três facções criminosas envolvidas no recente conflito em Porto Alegre. A remoção dos detentos ocorreu na manhã de quarta-feira da Cadeia Pública de Porto Alegre (CPPA), Penitenciária Estadual de Porto Alegre (Pepoa) e Penitenciária Modulada Estadual de Charqueadas (PMEC) para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas ,(Pasc)

Na Pasc, os detentos encontram-se isolados em celas especiais, sem contato uns com os outros. Eles estão submetidos a um protocolo disciplinar rígido. Os apenados, por exemplo, alimentam-se no local e tomando banho de sol sozinhos no pátio. Uma revista nas celas deles será feita três vezes por dia, tendo vigilância redobrada nas 24 horas.

A reportagem do Correio do Povo obteve, com fontes na área da segurança pública, os antecedentes criminais de cada uma das dez lideranças transferidas na quinta-feira para a Pasc. Eles comandam três organizações criminosas envolvidas no conflito em Porto Alegre, onde a principal delas “recrutou” uma outra, até então rival, para atacar uma antiga aliada na cidade por uma suposta dívida de drogas.

LÍDERES DA FACÇÃO NASCIDA NO VALE DO RIO DOS SINOS

* Garotinho: 18 ocorrências de homicídios (nove indiciamentos, seis acusações e três suspeitas), seis tráfico de drogas, duas desobediências, duas coações no curso do processo com uma delas figurando como suspeito, duas ameaças, um porte ilegal de arma de fogo, uma suspeita de extorsão e um roubo estabelecimento com lesão.

* Gambini: sete casos de homicídios (seis vezes acusado e uma suspeita), dois roubos de veículos, duas ameaças, duas receptação/associação criminosa, um favorecimento real/pessoal e um porte ilegal de arma de fogo.

* Debi ou Rodrigo das Correntes: três tráfico de drogas, três homicídios, duas ameças, uma extorsão e uma lesão corporal.

* MK: dois tráfico de entorpecentes, duas posse ilegal de arma, um porte ilegal de arma, uma organização criminosa, uma lesão corporal e uma ameaça.

LÍDER DA FACÇÃO NASCIDA NO BAIRRO BOM JESUS

* Sapo: nove participações em homicídios, seis ameaças, duas desobediências, um porte de arma de fogo, um uso de documento falso, um tráfico de drogas, um dano ao patrimônio público, uma receptação, uma falsificação de papéis/documentos públicos e uma lesão corporal.

LÍDERES DA FACÇÃO NASCIDA NA VILA CRUZEIRO DO SUL

* Nego André: 26 homicídios (20 vezes acusado e seis como suspeito), seis ameaças, quatro roubos, uma receptação, um porte ilegal de arma de fogo, um tráfico de drogas, uma coação no curso do processo.

* Nego Vini: três posse de entorpecentes, duas receptações, duas posse/porte de arma de fogo, uma lesão corporal, um homicídio e um tráfico de drogas.

*Milico: 14 envolvimentos com homicídio, um tráfico de entorpecentes, um disparo de arma de fogo e uma coação no curso do processo.

*Nito: 25 participações em homicídios, quatro ameaças, três porte ilegal de arma de fogo, três furto qualificado, dois disparo de arma de fogo, três roubo a pedestre, uma extorsão, um roubo de veículo, um dano qualificado, um tráfico de entorpecentes, uma fuga de preso, uma receptação e uma lesão corporal.

*Luan da BK: seis envolvimentos de homicídios, cinco tráfico de entorpecentes, uma receptação, um desacato, uma ameaça, um furto qualificado, um roubo a residência, uma lesão corporal e uma desobediência.

Foto: Jonathan Silva / Susepe / Especial


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895