Jovem é agredida com um soco por segurança de casa noturna em Porto Alegre

Jovem é agredida com um soco por segurança de casa noturna em Porto Alegre

Incidente ocorreu na calçada do estabelecimento no bairro Cidade Baixa

Correio do Povo

Direção do estabelecimento repudiou o ato violento

publicidade

A Polícia Civil vai investigar a denúncia de agressão contra uma jovem cometida na madrugada desta terça-feira pelo segurança de uma casa noturna na rua General Lima e Silva, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre. Segundo a reportagem da Record TV RS, a vítima, identificada como a estudante Valentina Guirland, 20 anos, teve o nariz fraturado e ficou com o rosto e roupa ensanguentados. Ferida, ela recebeu atendimento médico no Hospital de Pronto Socorro.

A jovem estava com mais cinco amigos no espaço reservado do bar, sendo a segunda vez dela no local. A confusão começou depois que uma amiga dela foi retirada do local por um segurança, cujos motivos ainda não foram esclarecidos.

A agressão ocorreu, então, no lado de fora do estabelecimento. Houve empurra-empurra na calçada e o segurança acabou dando um soco no rosto da estudante. O agressor foi encaminhado pelo efetivo do 9º BPM da Brigada Militar para a Polícia Civil. "Perto da 1h, minha amiga foi expulsa da festa e decidimos sair junto com ela. Quando ela foi expulsa, os seguranças já foram agressivos e violentos com ela", relatou Valentina Guirland à reportagem da Record TV RS.

"Na rua aconteceu tudo. Deu uma confusão e simplesmente eu estava no meio. O segurança me agrediu, me deu um soco no nariz e eu caí de cabeça no chão. Me lembro da minha amiga me levantando e me levando para o outro lado da rua. Em seguida, a Brigada Militar chegou", contou a jovem.

"Os seguranças deveriam assegurar nossa segurança, mas é o contrário. Eles são mal instruídos. Deveriam acalmar a situação, mas muitas vezes provocam uma violência maior", observou a vítima. “Já presenciei vários fatos, acontece muito disso em Porto Alegre”, constatou.

Um dos três sócios da casa noturna, Lucas de Oliveira, acompanhou a vítima para fazer o registro da ocorrência por lesão corporal na 2ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (2ª DPPA), no Palácio da Polícia. Ele informou que o segurança envolvido será demitido e repudiou a ação violenta.

"Isto que aconteceu não é a forma que a gente instrui nossos funcionários. A gente não imaginava que podia acontecer algo assim”, disse Lucas de Oliveira à reportagem da Record TV RS. "Não compactuamos com isto. Independente do que tenha acontecido, eu entendo o ato como errado", enfatizou, frisando que estava sendo prestado auxílio e ajuda à vítima.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895