Líder do narcotráfico em Porto Alegre foge após colocar tornozeleira eletrônica

Líder do narcotráfico em Porto Alegre foge após colocar tornozeleira eletrônica

Beto Fanho é investigado por ordenar o ataque em outubro na frente do Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre

Correio do Povo

Após ataque, a Brigada Militar reforçou por alguns dias a segurança no lado externo do HCR

publicidade

O traficante conhecido como Beto Fanho, 40 anos de idade, um dos líderes do narcotráfico de uma facção criminosa, está foragido após ter sido beneficiado pela Justiça com a colocação de tornozeleira eletrônica. Após sair no final da tarde desta segunda-feira da Penitenciária Modulada de Charqueadas, o apenado rompeu o equipamento uma hora depois de ter sido  solto e desde então não foi mais localizado.

A fuga provocou indignação na Polícia Civil. Em entrevista ao Correio do Povo na manhã desta terça-feira, a diretora do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), delegada Vanessa Pitrez, lembrou que Beto Fanho é uma das lideranças do narcotráfico na vila São Borja, no bairro Sarandi, na Zona Norte de Porto Alegre. “Ele responde a seis homicídios diretamente envolvidos com o tráfico de drogas”, recordou, referindo-se aos antecedentes do criminoso. “Temos observado que o Judiciário tem se baseado em apenas critérios objetivos, como tempo para a progressão de regime ou soltura em razão da Covid-19. Não se tem observado requisitos subjetivos que a lei exige, como avaliação do grau de periculosidade”, afirmou.

Beto Fanho foi apontado como quem ordenou o ataque ocorrido na noite de 16 de outubro na frente do Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre, quando indivíduos em um Ford Fiesta efetuaram vários disparos na frente do prédio. No HCR estavam sendo atendidos três traficantes rivais, oriundos da vila Nazaré, que foram baleados momentos antes pelo grupo de Beto Fanho na vila São Borja. Um inquérito da Polícia Civil está em andamento e deve resultar em um pedido de prisão por causa do ataque. “Está sendo investigado como mandante”, resumiu a delegada Vanessa Pitrez.

O foragido, que tem pena de reclusão até dezembro de 2037, estava na Penitenciária Estadual de Charqueadas e, depois do ataque no Hospital Cristo Redentor, ficou alguns dias recolhido na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas. O apenado depois foi transferido para a Penitenciária Modulada de Charqueadas onde acabaria sendo solto judicialmente no final da tarde desta segunda-feira.

A facção de Berto Fanho está em conflito com um grupo rival que foi junto com moradores da vila Nazaré, desocupada devido às obras de ampliação da pista do aeroporto, para um condomínio popular situado na mesma região da vila São Borja. A delegada Vanessa Pitrez não descartou inclusive que os conflitos naquela área podem se intensificar a partir de agora, sendo “patrocinados tanto por Beto Fanho ou contra ele por facções rivais que queiram se vingar dele”.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895