Líderes de facções de Porto Alegre ficarão isolados na Pasc

Líderes de facções de Porto Alegre ficarão isolados na Pasc

Dez detentos foram transferidos de três casas prisionais para o complexo localizado em Charqueadas

Correio do Povo

Uma revista geral em duas galerias da Cadeia Pública foi também determinada

publicidade

O secretário estadual da Segurança Pública, Vanius Cesar Santarosa, anunciou a instalação inédita de um sistema de bloqueador de telefones celulares e a adoção de um modelo de regime disciplinar diferenciado, semelhante ao existente nas penitenciárias federais, no complexo prisional de Charqueadas. Segundo Santarosa, as dez lideranças removidas para a Pasc ficarão em celas individuais e isoladas, semelhante ao que ocorre nas penitenciárias federais. “Cada detento vai ficar isolado, vai fazer as refeições isolado, vai tomar banho de sol isolado e nem vai ter contato visual com os outros”, destacou. “A Pasc já tem esta estrutura”, enfatizou.

A notícia foi dada após a transferência de dez lideranças de facções criminosas da Cadeia Pública (antigo Presídio Central), Penitenciária Estadual de Porto Alegre (Pepoa) e Penitenciária Modulada Estadual de Charqueadas (PMEC) para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc) na manhã desta quarta-feira. Esses detentos comandariam o conflito em Porto Alegre, que para as autoridades da área deve ser agora ainda mais arrefecido com a medida.

Destacando que as medidas estão sendo implementadas em parceria com a Secretaria de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo, Santarosa adiantou que a instalação do bloqueador de telefone celular deve ocorrer em 30 ou 45 dias. O contrato já foi assinado com uma empresa espanhola.

Ele adiantou que a mesma estratégia de combate às facções criminosas está sendo empregada na cidade de Rio Grande, onde um conflito local já deixou mais de 35 mortos desde o começo deste ano.

Veja Também

Ações para coibir a violência na Capital 

Santarosa aproveitou para destacar as ações realizadas pela Polícia Civil e Brigada Militar nas últimas semanas para conter o conflito na Capital. “Fizemos saturação de área e aumentamos a ostensividade do policiamento preventivo, aumentamos as operações para cumprimentos de mandados de busca e apreensão, de prisões..”, citou como exemplo.

Ele ressaltou ainda a integração entre os órgãos policiais. "Nós temos já uma diminuição bastante do número de homicídios..Estas ações estão tendo efetividade sim”, garantiu. “Isso não é suficiente. Planejamos então a movimentação destes líderes que estariam emitindo ordens de dentro do sistema prisional de forma que pudessem ficar isolados, sem comunicação”, declarou.

Uma revista em duas galerias, ligadas às facções, foi também deflagrada com mandados judiciais na Cadeia Pública. “Estas ações todas estão sendo planejadas com o viés de conter e acabar com o conflito entre os grupos criminosos. Temos ideia de implementar mais ações…”, assegurou o secretário Vanius Cesar Santarosa.

Já o secretário de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo, Mauro Hauschild, ressaltou que uma estratégia bem elaborada pelas secretarias, com suas vinculadas e suas estruturas de inteligência, resultou em êxito na movimentação dos apenados apontados como as principais lideranças que estavam contribuindo para o aumento da violência na Capital. “Acreditamos que esse esforço, a partir das ações integradas do RS Seguro, é um passo importante para o retorno da paz e da tranquilidade da sociedade porto-alegrense e gaúcha”, salientou.

"É o governo intensificando a qualificação e o aparelhamento do aparato de segurança. A iniciativa tem se refletido no sistema penal na aquisição de equipamentos, de viaturas blindadas, de coletes e de novas tecnologias, como radares anti drone e bloqueadores de celular, assim como no incremento no efetivo de servidores, tudo para assegurar à população gaúcha um Estado mais seguro, em que a união das forças de segurança viabiliza com mais efetividade a diminuição de índices de violência na sociedade”, acrescentou.

Além da Brigada Militar e Polícia na transferência dos dez detentos, a mobilização contou com a atuação do Grupo de Ações Especiais da Susepe (GAES) e do Grupo de Intervenção Regional da Susepe da 10ª Região da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) na Cadeia Pública de Porto Alegre e na Penitenciária Estadual de Porto Alegre. Já na Penitenciária Modulada Estadual de Charqueadas (PMEC), os agentes operacionais da Susepe de toda a região participaram da remoção.

O superintendente da Susepe, José Giovani Rodrigues de Souza, recordou a atuação conjunta das áreas de inteligência. “Essas ações de transferência são parte das medidas que vêm sendo adotadas conjuntamente com todas as forças de segurança pública, com a finalidade de frear as ondas pontuais de violência e estabilizar o sistema penitenciário. O grande número de servidores envolvidos e o complexo planejamento da ação são mais uma grande demonstração de força do Governo do Estado sob os pilares do programa RS Seguro”, sublinhou.

Foto: BM / Especial / CP


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895