Mãe confessa ter matado filho de 11 anos no norte do Estado

Mãe confessa ter matado filho de 11 anos no norte do Estado

Rafael Mateus Winques estava desaparecido desde o dia 15 de maio

Agostinho Piovesan

publicidade

A Polícia Civil confirmou no início da noite desta segunda-feira, que foi localizado o corpo do menino Rafael Mateus Winques, de 11 anos, que estava desaparecido desde o dia 15 deste mês. Segundo a Polícia, a mãe Alexandra Dougokenski, confirmou que matou o filho. O corpo estava enrolado em um lençol, dentro de uma caixa, em uma casa abandonada, nas proximidades de onde o menino residia.

À Polícia, a mãe disse que a morte teria sido ocasionada por medicação, mas a versão está sendo apurada pelos policiais. O clima é de revolta na cidade de Planalto, com 10,5 mil habitantes, no Norte do Estado. Dezenas de pessoas se deslocaram até a região onde o corpo foi localizado.

O prefeito de Planalto, Antônio Carlos Damin lamentou o desfecho em relação ao desaparecimento. “É muito triste receber uma notícia dessas, ainda mais em se tratando de uma criança de 11 anos, um inocente”, afirmou.

No primeiro depoimento colhido pela Polícia, a mãe disse que o menino era muito nervoso e que matou o filho de forma culposa, ou seja sem intensão de matar, ao referir-se à medicação dada a Rafael.

Os investigadores chegaram até o local onde estava o corpo, depois da mãe confessar o crime.  O pedido de prisão preventiva contra a mulher já foi encaminhado ao Poder Judiciário. Ela vai responder por homicídio. A Polícia vai ampliar as investigações e saber se ouve a participação de outras pessoas no crime.

Desde o desaparecimento, a mãe dizia que não sabia como o filho havia desaparecido e que porta da frente estava aberta, com a chave pelo lado de dentro. Desde o dia 15 deste mês buscas foram realizadas no município, inclusive com auxílio de cães farejadores.

Caso idêntico ocorreu com o menino Bernardo Boldrini

A morte de Rafael leva as pessoas a lembrarem do caso do Menino Bernardo, de Três Passos, em abril de 2014. Ele também tinha 11 anos. Bernardo foi morto com uma dosagem alta de Midazolam em seu corpo foi localizado, enterrado no interior de Frederico Westphalen, 10 dias depois.

Quase cinco anos depois da morte do menino Bernardo Boldrini, jurados votaram pela condenação de quatro pessoas: o pai, Leandro Boldrini; a madrasta, Graciele Ugulini; a amiga do casal, Edelvânia Wirganovicz, e Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia. Evandro cumpriu pena e os demais estão presos.

Planalto fica a 42 km de Frederico Westphalen e a 157 de Três Passos, na região Noroeste do Rio Grande do Sul.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895