Mãe que jogou filha recém-nascida pela janela de ônibus é denunciada pelo Ministério Público do RS

Mãe que jogou filha recém-nascida pela janela de ônibus é denunciada pelo Ministério Público do RS

Jovem, que está presa, foi acusada de tentativa de homicídio triplamente qualificado

Correio do Povo

Criança ficou caída na via pública no dia 30 de junho

publicidade

O Ministério Público do Rio Grande do Sul denunciou a mãe, de 20 anos, que jogou a filha recém-nascida pela janela de um ônibus no dia 30 de junho passado na cidade de Panambi. A jovem foi acusada de tentativa de homicídio triplamente qualificado cometido contra a criança.

A Polícia Civil realizou o inquérito policial com 211 páginas sobre o caso, sendo conduzida a investigação pelo delegado Gustavo Fleury. A jovem foi indiciada por tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe, por emprego de meio cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima. Ela permanece presa preventivamente por decisão da 1ª Vara da Comarca de Panambi.

O promotor de Justiça de Panambi, Fernando Freitas Consul, explicou na peça que a denunciada foi até o banheiro do ônibus para dar à luz. Após, a jovem colocou a filha em um saco de lixo do banheiro e, com o veículo em movimento, arremessou-a em via pública pela janela no momento em que o ônibus deixava a cidade.

“O homicídio não se concretizou em razão do socorro prestado por policiais militares que foram acionados por pessoas que trafegavam pelo local. Os policiais levaram a bebê, que teve hematomas, escoriações e fissuras cerebrais, além de fratura da região parietal no crânio, para o hospital de Panambi. De lá, foi transferida para o município de Santa Rosa, onde foi internada em um leito de UTI neonatal”, descreveu o promotor.

O crime se enquadra nas qualificadoras de motivo fútil, pois a denunciada pretendia ocultar da família e de todos a existência da filha, porque reputava não reunir condições financeiras para criá-la; meio cruel, dado que a criança foi arremessada pela janela do ônibus, dentro de um saco de lixo, com o veículo em movimento em um dia que os termômetros marcavam a temperatura próxima a 1ºC, causando hipotermia até a chegada do socorro; e mediante recurso que impossibilitou a defesa da ofendida, já que, em razão da idade, em seus primeiros minutos de vida, não poderia esboçar qualquer resistência.

“Além disso, se trata de crime cometido contra vítima menor de 14 anos e contra descendente da acusada”, observou Fernando Freitas Consul.

A acusada saiu da rodoviária da Capital na noite do dia 29 de junho. O ônibus fazia linha intermunicipal Porto Alegre-São Nicolau. Imagens de uma câmera de monitoramento registraram o momento em que a vítima é jogada pela janela do banheiro de um ônibus, que trafegava na madrugada do dia 30 pela avenida Presidente Kennedy, em Panambi. A mulher continuou normalmente seu percurso, desembarcando ao amanhecer na rodoviária do município de Dezesseis de Novembro.

O bebê ficou caído no chão. Sem roupas, a criança teria permanecido no local por mais de 30 minutos no local, sendo resgatada pela Brigada Militar. Com edema cerebral e diversos ferimentos, a recém-nascida permanece internada em estado grave, mas estável, na UTI Neonatal do Hospital Vida & Saúde de Santa Rosa. Ela recebeu o nome de Ana Vitória.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895