Médico veterinário é preso por abastecer a produção de uma droga sintética no Vale do Rio dos Sinos

Médico veterinário é preso por abastecer a produção de uma droga sintética no Vale do Rio dos Sinos

Polícia Civil apurou que o profissional distribuía medicamento para cavalo usado na preparação do entorpecente conhecido como "K", "Ketamina" ou "Special K"

Correio do Povo

Houve a apreensão de 60 frascos do remédio

publicidade

A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) de São Leopoldo anunciou a prisão de um médico veterinário por envolvimento com o tráfico de drogas na região do Vale do Rio do Sinos. O profissional, de 38 anos, é suspeito de ser o responsável pela distribuição de matéria-prima para a produção da droga sintética conhecida como "K", "Ketamina" ou "Special K", costumeiramente vendida para jovens frequentadores de festas de músicas eletrônicas, chamadas de raves.

Ele foi identificado na investigação como o maior distribuidor de um remédio de uso veterinário, sobretudo para cavalos, em todo o Rio Grande do Sul. Natural de Bagé, o suspeito atua há 13 anos na profissão.

Segundo o titular da Draco, delegado Ayrton Figueiredo Martins Júnior, a detenção ocorreu na quinta-feira em uma clínica veterinária no bairro Campina. Houve o cumprimento de três ordens judiciais, sendo um mandado de prisão e dois mandados de busca e apreensão, sendo recolhidos 60 frascos do medicamento.

“Descobrimos que o médico veterinário se utilizava do registro funcional para adquirir o remédio, de uso exclusivo para fins veterinários. Ele é um anestésico potente, que pode ser também utilizado como psicotrópico”, observou o delegado Ayrton Figueiredo Martins Júnior.

O trabalho investigativo começou ainda em abril do ano passado e apurou que o profissional adquiriu cerca mais de R$ 2,7 mil em frascos e ampolas do anestésico Cetamin 10%, usando o próprio CPF, “Isso equivale a quase 20 mil frascos entre os anos de 2019 e 2021 e quase 3.000 ampolas no mesmo período. Números que representam aproximadamente 1.030 litros do medicamento, o que equivale em mais de 100 quilos de cloridrato de cetamina, matéria prima para a droga ilícita "K", "Special K" ou "Ketamina"…”, afirmou.

Como provas, os agentes da Draco de São Leopoldo recolheram farta documentação fornecida pelos laboratórios distribuidores do medicamento, além de extenso monitoramento da movimentação do investigado.  “Isso demonstrou que ele sozinho foi o maior comprador do medicamento em todo o Rio Grande do Sul, sabido que comprou quase seis vezes mais Cetamin que o segundo maior comprador, que por sinal é um hospital veterinário”, comparou o delegado Ayrton Figueiredo Martins Júnior.

Com auxílio do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), a clínica foi inspecionada. “Ao fim foi atestada a incrível desproporção entre procedimentos, em tese, realizados, e a colossal quantidade de medicamento Cetamin adquirida”, disse o titular da Draco de São Leopoldo. Conforme os policiais civis, não houve nem a mínima comprovação do descarte dos vasilhames dos frascos supostamente utilizados pelo investigado na clínica.  


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895