Ministério Público denuncia duas pessoas por desaparecimento de casal em Cachoeirinha

Ministério Público denuncia duas pessoas por desaparecimento de casal em Cachoeirinha

Filha e neto de idoso vão responder por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver

Correio do Povo

Para o MP, o crime teve motivação financeira

publicidade

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) denunciou duas pessoas pelo assassinato do casal Rubem Affonso Heger, 85 anos, e da companheira Marlene dos Passos Stafford Heger, 53 anos, que estão desaparecidos desde o final de fevereiro deste ano. Tratam-se da filha, de 51 anos, e do neto, de 28 anos, do idoso.

Ambos foram presos no dia 5 de maio passado pelos agentes da 1ª DP de Cachoeirinha, sob comando do delegado Anderson Spier, que coordenou a investigação. As detenções ocorreram em Canoas e Parobé.

Conforme o promotor de Justiça Thomaz de La Rosa, os acusados foram até a casa das vítimas, em Cachoeirinha, no dia 27 de fevereiro, onde cometeram o duplo homicídio. Na sequência, a filha e o neto do idoso obstruíram a frente da garagem com colchões e colocaram os corpos das vítimas no interior de um Ford Fiesta.

Os cadáveres ainda não foram encontrados, apesar das buscas. De acordo com o MPRS, os denunciados ainda mataram a cachorra das vítimas, colocando o animal em uma caixa de gordura. Os crimes tiveram motivação financeira.

A filha foi denunciada por um homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e dissimulação), um homicídio triplamente qualificado (dissimulação, motivo torpe e feminicídio), ocultação de cadáver, fraude processual, desacato e maus-tratos a animal doméstico.

Já o neto é acusado de um homicídio duplamente qualificado (dissimulação e motivo torpe), um homicídio triplamente qualificado (dissimulação, motivo torpe e feminicídio), ocultação de cadáver, fraude processual, resistência e maus-tratos a animal doméstico. A defesa dos acusados, que negam a autoria do crime, afirmou que não existem provas técnicas contra os dois e que ambos são inocentes.


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895