Mistério na morte do Tenente Vermelho, que atuou na Legalidade e contra Golpe de 64

Mistério na morte do Tenente Vermelho, que atuou na Legalidade e contra Golpe de 64

Capitão reformado José Wilson da Silva, 89 anos, foi baleado na residência na rua Paissandu, no bairro Partenon, em Porto Alegre

Correio do Povo

Homicídio mobilizou Polícia Civil, Brigada Militar e Instituto-Geral de Perícias

publicidade

Mistério na morte do capitão reformado José Wilson da Silva, 89 anos, o Tenente Vermelho, que atuou no movimento da Legalidade e na resistência ao Golpe de 64. Ele foi assassinado durante a madrugada desta sexta-feira na residência, situada na rua Paissandu, no bairro Partenon, em Porto Alegre. O caso está sendo investigado pela 1ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (1ª DPHPP), sob comando da delegada Isadora Galian.

Ele foi um dos homens mais próximos de Leonel Brizola. Eleito vereador pelo PTB em 1963 na Capital, José Wilson da Silva perdeu os direitos políticos com o golpe de 1964 e foi para o exílio no Uruguai. Ele foi um dos fundadores da Associação de Defesa e Pró-Anistia dos Atingidos pelos Atos Institucionais. Em 1987 lançou o livro “O Tenente Vermelho”, além de ter publicado outras obras.

A ocorrência mobilizou inicialmente a Brigada Militar. Na casa, o efetivo do 19º BPM constatou que a vítima, que completaria 90 anos na próxima segunda-feira, estava em óbito no chão, com marcas aparentes de dois disparos na região do tórax. Um facão estava ao lado do corpo.

Em depoimento, a companheira e ex-cuidadora da vítima informou que escutaram um barulho no pátio e ele foi averiguar com o facão o que se tratava, sendo surpreendido e alvejado na garagem do pátio da casa. Ela não viu quantos indivíduos eram e desconhece a causa para que fosse assassinado. O som de um veículo deixando o local foi ouvido por outras pessoas depois dos tiros.

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada e verificou o óbito, sendo isolado o local para o trabalho do Instituto-Geral de Perícias.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895