capa

Moradores de Três Passos festejam o resultado do julgamento

Com o fim do júri, os moradores abraçaram e agradeceram aos promotores em nome de Bernardo

Por
Henrique Massaro

População festejou trabalho dos promotores após julgamento

publicidade

Assim que souberam do veredicto, pessoas que estavam do lado de fora do Fórum de Três Passo reuniram-se e fizeram uma oração em nome de Bernardo Boldrini. Logo em seguida, quando os promotores do caso, Bruno Bonamente, Ederson Vieira e Silvia Jappe, saíram do local foram muito aplaudidos e várias pessoas lhes agradeceram. Ao mesmo tempo que havia a celebração com o resultado final, ao lado, saíram as vans da Superintendência dos Serviços Penitencários (Susepe) com os condenados. Nesse momento, as emoções inverteram-se e muitos gritaram “assassinos”, conforme os veículos passavam. 

Como combinado antes, houve uma caminhada do Fórum até a residência onde Bernardo vivia. O imóvel se encontra desocupado e a fachada tornou-se um mural, com diversos cartazes pedindo justiça. Antes dessa manifestação, a mobilização ocorreu na frente do prédio do Fórum. Muitas pessoas, de todas as idades, foram chegando ao local, com faixas e camisetas. 

O anúncio das penas foi precedido de muita expectativa das pessoas que estavam na sala do júri e na rua em frente ao Fórum. Algumas estavam aguardando em uma fila para entrar no salão. Em princípio, o anúncio seria feito às 18h, porém o prazo passou para 18h30min e, por último, para as 19h. Ao entrar na sala, a juíza olhou diretamente para os réus. Em seguida, a magistrada começou a ler a condenação de cada um. Ao mesmo tempo, do lado de fora, as pessoas aprovavam e aplaudiam a cada explicação da juíza.

Crime chocante

Desaparecido em 4 de abril de 2014 em Três Passos, Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, foi encontrado morto dez dias depois no interior de Frederico Westphalen, a cerca de 80 quilômetros de distância. O corpo estava dentro de um saco plástico, enterrado em um matagal às margens de um riacho. No dia seguinte, a Polícia prendeu Graciele, Boldrini e Edelvânia. Evandro foi preso em maio, após investigações que apontaram que ele ajudou a fazer a cova. A causa da morte do menino teria sido a superdosagem do Midazolam, medicamento presente no estômago, no rim e no fígado da vítima, de acordo com laudos periciais.