Operação contra grupos neonazistas é deflagrada em sete estados, incluindo Rio Grande do Sul

Operação contra grupos neonazistas é deflagrada em sete estados, incluindo Rio Grande do Sul

Ação ocorreu nos bairros Tristeza e Rubem Berta, em Porto Alegre, no âmbito da Investigação da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro

Correio do Povo

Em SC, a ação ocorreu em Porto União

publicidade

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio Janeiro deflagraram na manhã desta quinta-feira a operação Bergon contra grupos neonazistas que estão sendo alvos de operação em sete estados. Quatro mandados judiciais de prisão e outros 31 mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos. Armas e farto material foram recolhidos. Além do RJ, a ação acontece no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Norte. Os alvos são suspeitos de crimes de racismo e antissemitismo.

No Rio Grande do Sul, a Delegacia de Polícia de Combate à Intolerância (DPCI) do Departamento Estadual de Proteção a Grupos Vulneráveis da Polícia Civil cumpriu duas ordens judiciais nos bairros Tristeza e Rubem Berta,em Porto Alegre. Segundo a delegada Cristiane Pires Ramos, titular substituta da DPCI, os alvos eram um adolescente de 14 anos e um jovem de 21 anos. "Buscamos material de cunho nazista e racista em apoio à operacao Bergon, mas não foram encontramos materiais nos enderecos indicados", observou ela à reportagem do Correio do Povo. Em Santa Catarina, o alvo foi na cidade de Porto União.

As investigações começaram há sete meses e mobilizam a Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV) da Secretaria de Estado de Polícia Civil e o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP. O trabalho investigativo apurou a prática de atos violentos, de discriminação e preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional por meio de redes sociais.

Um ponto de partida das autoridades teria sido o ataque à creche de Saudades, em Santa Catarina, em maio deste ano. Na época, um jovem esfaqueou e matou com facadas três bebês e duas professoras. Na análise do que foi apreendido com Fabiano Mai, 18 anos, foram encontradas conversas, pela internet, de ódio e racismo com jovens de diversos estados. Seis prisões foram então efetuadas na ocasião na região Sudeste, incluindo o filho de um desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Ele utilizava um aplicativo para espalhar o ódio e atrair simpatizantes, principalmente com ameaças contra negros e judeus.

A partir da análise do material periciado pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli, os agentes constataram farto material de conteúdo racista contra negros e judeus, chamando a atenção os diálogos ameaçadores, cooptação de simpatizantes, treinamento e, principalmente disseminação de ódio.

O nome da operação faz alusão à freira francesa Denise Bergon, que usou seu convento para abrigar crianças judias entre alunos católicos durante a Segunda Guerra Mundial, evitando serem capturadas pelos nazistas.

Foto: PCRJ / Divulgação / CP

Foto: PCSC / Divulgação / CP


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895